Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Vendas de diários e semanários com quedas substanciais

Vendas dos diários em banca no período jan/out 2011 (APCT): CM 124504, JN 78574, Record 61538, Jogo 27954, Público 26163, DN 17940, i 5307, A Bola continua a esconder os seus resultados.
Semanários: Expresso 93472, Sábado 46428, Visão 44076, Sol 23559, Focus 16912.
Os resultados do quinto bimestre do ano, ontem revelados pela Associação Portuguesa para o Controla das Tiragens (APCT), mostram uma diminuição global nas vendas em banca de diários e semanários, com alguns títulos a tentarem disfarçar a queda recorrendo à “habilidade” do incremento em flecha das “assinaturas” e das vendas em bloco.

A verdade é que a crise está aí, exceto para o “Correio da Manhã”, o único diário que aumenta as suas vendas – mais 319 exemplares em média, o que corresponde a uma subida de 0,3% em relação aos primeiros dez meses de 2010 – e para a “Focus”, o único semanário que cresce nas bancas este ano – com mais 3.988 exemplares por edição, o equivalente a 30,9%.

Do lado das quedas, o “DN”, lidera, em percentagem, nos diários – ao perder 23,4% e 5.465 exemplares – e o “Expresso” regista a maior queda nas publicações semanais – vendendo em 2011 menos 8,2%, ou seja, menos 8.385 exemplares.

Na imprensa desportiva, Record mantém-se acima dos 60 mil exemplares em banca, com 63.816 de circulação total paga, continuando “O Jogo” muito longe e revelando “A Bola” a habitual determinação em não dar a conhecer os seus resultados, mas não podendo esconder o que é facilmente verificável: tiragens muito inferiores às de Record, aliás não divulgadas também na sua edição em papel, ao arrepio da lei.