Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Tomás Taveira: um homem culto e brilhante, uma personalidade única

A pTT1ropósito do texto que André Rito assinou na Sábado, há duas semanas, sobre os 30 anos das Amoreiras e sobre o seu criador, Tomás Taveira, li no blogue zpf, de José Paulo Fafe – http://www.josepaulofafe.com – um belo texto com um perfil do arquitecto, escrito por quem com ele conviveu de perto. E recordei então o final da década de 80 e o início da de 90, as memoráveis festas do Bananas e os muitos eventos em que privei com Taveira – fomos até sócios – e do orgulho que sempre senti pela nossa amizade.

Goste-se ou não de um nome que, com outros vultos, poucos, dominou a arquitectura portuguesa do século 20, e perdoem-se-lhe ou não os momentos mais duros que o atingiram, a verdade é que Tomás Taveira é uma pessoa aberta, simpática e sedutora, genuína e generosa, também vaidosa e arrebatada – uma personalidade rara, única, uma figura brilhante. E é ainda um homem de enorme cultura, um contador de histórias de memória prodigiosa e fino humor, que pude rever numa épica viagem a Gelsenkirchen, em 2004, quando, num grupo de convidados da Cofina, fomos ver o FC Porto sagrar-se campeão europeu.

Recuo hoje mais de 25 anos, ao período feliz da minha vida em que ele participou – e faço-o com gratidão e muita saudade.

Parece que foi ontem, Sábado, 17SET15

TT4

 

 

TT31
O escriba com Fernando Pereira, Ana Bastos, Tó, Carlos Castro, Manuel Arouca, Júlio Isidro, Pedro Reis, Teresa Sachetti e Ricardo Carriço, no júri de um concurso da Élan, no repleto Bananas (de Tomás Taveira), em 1987