Menti-te: eu sabia que iria chorar por ti

Quiseste dar-nos o conforto de estarmos contigo quando partiste, Teresa. A mim, àquela que te trouxe ao Mundo, ao grande marido que escolheste – e que sempre sofreu a teu lado – e a alguns dos amigos mais chegados. Não podiam ser todos, como tu gostarias e eles também. Recordo, querida, uma das nossas últimas conversas, e o momento em que me disseste: “Pai, estou tranquila, tive uma excelente família, amigos a sério e uma profissão que me realizou. Viajei e diverti-me. Foi uma vida boa, só me queixo por... Leia o resto →

O milagre da Teresa

Conseguiu um pequeno milagre: combater durante sete anos um cancro – não detetado a tempo – e trabalhar quase até aos últimos dias. O que a Teresa Pais já não pôde ver foi a página de despedida que lhe fizeram numa das revistas que dirigia, a “TV Mais” – a outra era a “Telenovelas”. Acho que ela ficaria feliz com o texto, emotivo e bem escrito, que terminava num “até sempre, diretora!”. Não é para todos. Liderar é também prejudicar interesses, recusar facilidades, dizer não. E quem praticou esse exercício... Leia o resto →

Teresa, a minha tetracampeã

A minha filha Teresa tirou um curso de que não gostava e que só lhe serviu como formação de base para abraçar a profissão para a qual sentia verdadeira vocação: o jornalismo. Creio que tive culpa. Quando ela quis, aos 16 anos, começar a ganhar o seu próprio dinheiro, encaminhei-a para o que havia mais à mão: recolher fichas dos jogos de futebol, ao fim de semana, na redação do semanário “Off-Side”. Corria o ano de 1983. Depressa lhe tomou o gosto, tornou-se sócia do Belenenses e, apesar de o... Leia o resto →

Teresa Pais para sempre: 2015, os últimos posts

Descansar (último post da Teresa, publicado em 27 de abril de 2015, no seu blog Ponto Final) Continuo viva. “Ressuscito” com alguma frequência. Houve aí um dia ou dois em que praticamente morri, e não me pareceu mal. Há alturas em que o fim do pesadelo é uma opção muito simpática. E é quando embato no desistir/não desistir. Tenho ou não esse direito? Depois de tantos anos de luta e sofrimento acabarei como aquela que desistiu? Será essa a memória final? Prometi a mim mesma, há alguns anos, que o maior... Leia o resto →

Teresa Pais para sempre: os primeiros cinco anos de luta (em atualização)

POSTS DO BLOG PUNTOCEROSECONDLIFE – 2008-2013 A AJUDA DA JO (o primeiro post, publicado a 17 de setembro de 2008) Ainda não foi desta… Todos os dias penso que vou começar a quimioterapia, mas há sempre mais um passo a dar. Agora, falta uma ressonância magnética que, para efeitos comparativos futuros, tem de ser feita antes do início da quimio. E obedece a outra condicionante: ser realizada ao sétimo dia do período menstrual. Assim sendo, vai acontecer na próxima segunda-feira. Finalmente, hoje a médica disse que a mão inchada tem... Leia o resto →

O dia em que o CM não quis o velho

“Quando ganhas, és um velho profissional. Quando perdes, és um homem velho” – Charlie Conerly, jogador da NFL (futebol americano), 1921-1996 Decorria, se bem me lembro, o ano 2000, quando a minha filha Teresa Pais veio de Linda-a-Velha a Lisboa para falar com o administrador Miguel Ribeiro e Silva, então na Cofina (Investec), e com o qual trabalhara no grupo de Francisco Balsemão. Ele convidou-a para reestruturar e editar a revista de domingo do Correio da Manhã. A Teresa agradeceu a confiança mas não quis deixar os amigos que fizera... Leia o resto →

Entrevista nos 60 anos de Record (Parte 2)

RECORD – Como caracteriza a evolução do produto Record? Reconhece a existência de um período sensacionalista, outro da fase de profissionalização dos quadros e outro mais recente de procura de novos caminhos, nomeadamente de abertura a novas áreas de noticiabilidade, como sejam os temas generalistas?ALEXANDRE PAIS – Tenho alguma dificuldade em analisar as anteriores fases do Record, que não acompanhei com atenção, já que o “meu” jornal era outro. Não conheci, portanto, o “período sensacionalista” e o da profissionalização dos quadros, que julgo até estar ainda em curso. Quanto ao... Leia o resto →

 
Back to top