Licensiados e ignurantes (4): lendas e dignatários

Na SIC, promove-se há semanas uma rubrica com os melhores futebolistas de sempre, que a voz-off classifica como “lendas ícones”, assim uma espécie de “formosos bonitos” ou “felizes radiantes”, uma patetice tão básica que até arrepia. Já na RTP1, numa edição do “Joker”, apresentado por Vasco Palmeirim – e com Hugo Neves, que foi um excelente jornalista do Record, como concorrente – ouvimos esta semana, também em voz-off, uma referência a “dignatários”, em vez de dignitários. Num concurso de cultura geral e numa estação de suposto serviço público é particularmente... Leia o resto →

O murmúrio de Cristina Ferreira

Criticada pela gritaria, Cristina Ferreira encontrou, com essa caraterística, a sua praia. Fosse ela diferente e menor seria o seu sucesso. Goste-se ou não, criou um estilo que agrada a muita gente, embora não à maioria – um mito urbano. Trata-se, aliás, de caso semelhante ao de Passos Coelho, que ganhou as eleições de 2015, não conseguindo seduzir 60 por cento dos eleitores. Vejamos as audiências médias da manhã de quarta-feira: “O programa da Cristina”, da SIC, teve 344 mil espectadores, o “Você na TV!”, da TVI, 240 mil, e... Leia o resto →

Tivesse Rui Rio esse dom…

Durante décadas, veremos como será em outubro, o sucesso do PSD resultou muito de um fator cultural: a sua ligação às nossas raízes. Porque mesmo vivendo nas grandes cidades, haverá poucos portugueses cujas origens, recentes ou mais remotas, não estejam no interior do país, naquilo a que noutros tempos se designava por “província”. É dessa associação ao Portugal profundo, ao cheiro da terra, que resulta o êxito de “Quem quer namorar com o agricultor?”: ainda que a segunda série seja pior que a primeira, isso não afasta os espectadores do... Leia o resto →

Golpe de talento e algum amadorismo

No episódio inicial de “Golpe de sorte”, na SIC, temi o pior, quando, no espaço de carga de uma camioneta, uma mulher deu à luz, de pernas voltadas para a parte aberta da caixa e para quem assistia na rua… As realizações portuguesas sofrem dessa pecha: adaptam o que deviam ser exigências à comodidade da produção, em vez de procurarem reduzir ao mínimo as situações inverosímeis. Outro exemplo cruel: na sociedade recreativa de Alvorinha, cheia de gente a meio da manhã – como se não houvesse mais televisores na terra... Leia o resto →

Adeus, Teixeirinha!

Longe vai o tempo em que a TVI lançou “Apanha se puderes” e passou a liderar o horário anterior ao “prime time”, fulminando o domínio de “O preço certo”, da RTP. A queda do concurso iniciou-se ainda com Cristina Ferreira, já a caminho da SIC, e com a introdução de ideias novas no programa de Fernando Mendes. O despertar da estação de Paço de Arcos, primeiro com “Casamento à primeira vista” e depois com “Quem quer casar com o agricultor?” cimentou-lhe a preferência antes dos telejornais, “O preço certo” manteve-se... Leia o resto →

Agricultores sem eira nem beira

Ao lançar “Quem quer namorar com o agricultor?”, 18 anos após estreia de “Farmer wants a wife”, em Inglaterra, a SIC fez de Portugal o último das três dezenas de países que, desde 2001, apostaram na capacidade do programa para captar audiências. Há pouco tempo, a SIC Mulher transmitiu a nona (!) temporada da versão australiana, um luxo que ia da imensidão das herdades ao nível das candidatas, passando pelo cheiro, intenso, a dinheiro. Também pela realização, pois em televisão a abundância de recursos ajuda muito. Na edição portuguesa nota-se... Leia o resto →

A derrota de “Olhó Baião!”

Em março, a SIC voltou ao topo das audiências e não se poupou na divulgação da proeza. O regozijo da estação de Balsemão é, de facto, tão natural como o da CMTV, que acaba de somar 27 meses consecutivos na liderança do cabo. A questão está nos exageros. Ainda há pouco, a SIC Notícias vangloriava-se de ser número 1 na informação e nem metade da audiência da CMTV consegue. Agora, é o canal estrela de Paço de Arcos a meter vencedores e vencidos no mesmo saco de êxitos que o... Leia o resto →

O fracasso da TVI

A mudança na direção de programas marcou o início do regresso da SIC à liderança e a contratação de Cristina Ferreira foi seguida de outras medidas de gestão de recursos e de captação de audiências igualmente importantes. O segundo tiro na “mouche” de Daniel Oliveira foi o da recuperação de Júlia Pinheiro. A apresentadora, “desaparecida” após o “flop” das manhãs, encontrou no novo “Júlia” o porto de abrigo, sendo raro o dia em que não bate o “A tarde é sua”, de Fátima Lopes. Desgastada pelas piadolas e pelo equívoco... Leia o resto →

SIC à frente e TVI a dormir

Algum dia a SIC teria de despertar do sono profundo com que ajudou a TVI a ser líder de audiências por 12 anos consecutivos. Foi por uma décima é certo – 18,6% contra 18,5% – mas conta na mesma e, em fevereiro. a estação de Paço de Arcos ficou finalmente à frente da de Queluz. O acordar da SIC deu-se em simultâneo com a estranha letargia da concorrente, o típico fenómeno português que faz com que os vencedores ocasionais julguem sê-lo em definitivo e adormeçam à sombra da bananeira. E... Leia o resto →

Televisão cerca António Costa

Na TVI, “Gente que não sabe estar”, de Ricardo Araújo Pereira, sublinha, como cabe a um programa de humor, as contradições, os absurdos e os erros dos poderosos. É um reforço natural para a oposição – menos alvejada pelas críticas por ser menos protagonista – e que vem juntar-se, no suplício do Governo, a “Deus e o Diabo”, de José Eduardo Moniz, na estação de Queluz, e “A procuradora”, de Manuela Moura Guedes, na SIC. São três pilares relevantes no desgaste a que se sujeita António Costa, como se não... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top