Na TVI já só dá Benfica

Só com o Benfica é que a TVI lá vai, ou seja, consegue ter o programa mais visto – sem, mesmo assim, ganhar no “share” do dia – como aconteceu na quarta-feira, com o “direto” do jogo frente ao Zenith. É verdade, já nem Ljubomir Stanisic é pesadelo que bata a SIC, que liderou o “top” de domingo último com o “Jornal da noite” e o recauchutado – para parolos, que aquilo é tudo treta – “Casados à primeira vista”. Este alcançou um número maior de espectadores que o segundo... Leia o resto →

Trabalho de João Manzarra é magistral

Não gosto de programas que usam e abusam das crianças, como os de “caça-talentos”, com jurados de elogio mentiroso, do tipo “vais muito longe”, ou seja, não vais a lado nenhum mas fica-me bem dizer isto. Assim, nos serões de sábado, antes de me render à Netflix, ignoro “A árvore dos desejos”, da SIC. Claro que fujo ainda ao cabotinismo de “Mental samurai”, da TVI, e só me demoro um pouco na RTP1 para ver a excelente Filomena Cautela. Acontece que numa madrugada sem sono parei na SIC Mulher e... Leia o resto →

Pele de galinha em “Casados à primeira vista”

No início da semana, “Casados à primeira vista”, da SIC, perdeu por três vezes para “O preço certo”, da RTP1 – e na terça e na quarta-feira, no “share” do dia, o canal oficial ficou de novo à frente da TVI, com um milhão de pessoas a verem o concurso de Fernando Mendes. Sublinhei já a subida de qualidade da produção desta série de “Casados”, um “upgrade” anulado pela empatia que não sentimos pela maioria dos “noivos” e pela nula atração que os próprios têm uns pelos outros. Agora, o... Leia o resto →

Especialistas falham em “Casados à primeira vista”

Tempo atrás, no Canal 11, Iva Domingues, que já aqui elogiei, perguntava a Manuel Luís Goucha pelos sapatos que lhe teria dado o antigo guarda-redes… Beto. A apresentadora queria dizer Neno, mas como não fez o trabalho de casa, errou. O contrário aconteceu com a produção e a realização de “Casados à primeira vista”, da SIC, que aprenderam com a primeira série e nos oferecem uma segunda de melhor nível – em tudo, menos na qualidade média dos candidatos, que torna trágica a comparação com versões estrangeiras. Temos gente para... Leia o resto →

E o golpe de asa?

A seguir à novela “Nazaré” e a “Golpe de sorte”, a meia hora do “Casados à primeira vista – extra” fecha um triângulo de ouro com um “share” superior ao da estação. Só o “Programa da Cristina”, o “Primeiro jornal” e o “Jornal da noite” conseguem também contribuir positivamente para os 20,5% da média do dia da SIC – como o da última quarta-feira, por exemplo. Faltaram a esse contributo os 15 minutos do diário do “Casados II”, colado ao “Prémio de sonho especial” numa frente comum que “O preço... Leia o resto →

Contra Cristina a derrota da TVI é certa

Na tentativa de recuperar audiências mudando tudo – tática aventureira e acéfala que já tantos desgraçou – a TVI parece querer apostar no horário em que todo o investimento, nesta altura, redundará em prejuízo. Refiro-me às manhãs, em que Cristina Ferreira, na SIC, mais que duplica, e duplicará, o número de espectadores da concorrência, faça esta o que fizer. Não é por poupar Manuel Luís Goucha ao despertador ou por “devolver” Maria Cerqueira Gomes ao Porto e meter no estúdio umas meninas espevitadas que pouco têm a ver com o... Leia o resto →

Falta de jeito para o negócio

Mal se soube que Cristina Ferreira ia deixar a TVI, em 2018, o concurso “Apanha se puderes”, que alcançara a liderança do ante prime time, começou a cair nas audiências até voltar a perder o primeiro lugar para “O preço certo”, da RTP. Iniciou-se aí, também, o calvário da estação de Queluz, que nunca mais conseguiu vencer a concorrência nesse horário, acumulando fracassos. O último, após o flop de “First dates”, nasceu da ideia preguiçosa de “esticar”, até às 20 horas, o “A tarde é sua”, da formiguinha Fátima Lopes.... Leia o resto →

Licensiados e ignurantes (4): lendas e dignatários

Na SIC, promove-se há semanas uma rubrica com os melhores futebolistas de sempre, que a voz-off classifica como “lendas ícones”, assim uma espécie de “formosos bonitos” ou “felizes radiantes”, uma patetice tão básica que até arrepia. Já na RTP1, numa edição do “Joker”, apresentado por Vasco Palmeirim – e com Hugo Neves, que foi um excelente jornalista do Record, como concorrente – ouvimos esta semana, também em voz-off, uma referência a “dignatários”, em vez de dignitários. Num concurso de cultura geral e numa estação de suposto serviço público é particularmente... Leia o resto →

O murmúrio de Cristina Ferreira

Criticada pela gritaria, Cristina Ferreira encontrou, com essa caraterística, a sua praia. Fosse ela diferente e menor seria o seu sucesso. Goste-se ou não, criou um estilo que agrada a muita gente, embora não à maioria – um mito urbano. Trata-se, aliás, de caso semelhante ao de Passos Coelho, que ganhou as eleições de 2015, não conseguindo seduzir 60 por cento dos eleitores. Vejamos as audiências médias da manhã de quarta-feira: “O programa da Cristina”, da SIC, teve 344 mil espectadores, o “Você na TV!”, da TVI, 240 mil, e... Leia o resto →

Tivesse Rui Rio esse dom…

Durante décadas, veremos como será em outubro, o sucesso do PSD resultou muito de um fator cultural: a sua ligação às nossas raízes. Porque mesmo vivendo nas grandes cidades, haverá poucos portugueses cujas origens, recentes ou mais remotas, não estejam no interior do país, naquilo a que noutros tempos se designava por “província”. É dessa associação ao Portugal profundo, ao cheiro da terra, que resulta o êxito de “Quem quer namorar com o agricultor?”: ainda que a segunda série seja pior que a primeira, isso não afasta os espectadores do... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top