Pinto da Costa ainda é Pinto da Costa?

Cinco vitórias em cinco jogos e primeiro título no Sp. Braga no bolso, eis o derradeiro mês do currículo de Rúben Amorim, o homem que concilia o pior de dois mundos do futebol português: o das corporações, que tentam proteger os que estão a todo o custo e barrar o caminho aos mais novos, e o da rebaldaria, que permite que se trabalhe sem habilitações e se encene um faz de conta ridículo no banco e na “flash interview”. Mas polémicas à parte, o mérito de Amorim é enorme. E... Leia o resto →

Assobiam para o ar e depois fazem queixinhas

Amanhã, teremos um dia perigoso, com nova manifestação de polícias, cujas organizações sindicais não garantem desta vez – o que lhes fica mal – o controlo de eventuais atos violentos. Ou seja, os agentes pagos pelo Estado para assegurarem a segurança dos cidadãos, tenham embora múltiplas razões de queixa, admitem transformar-se, eles próprios, em causadores de insegurança. Para agravar a situação, no Ministério da Administração Interna, o principal interlocutor dos “revoltosos” enrola-se em considerações vagas e não consegue resolver sequer o drama da falta de equipamentos, viaturas incluídas. Espalhados pelo... Leia o resto →

Silas faz omeletas sem ovos

A noite parecia ser dos desqualificados. Começou no Dragão, com Rúben Amorim, treinador sem os níveis criados pela corporação, a ganhar pela calada depois de se ter desfeito em elogios ao FC Porto, cujo “exemplo” garantiu seguir. Acreditaram nele os portistas – afinal, os de Braga não os venciam em casa há 15 anos – e tramaram-se. Também, é verdade, porque os de Sérgio Conceição falharam dois penáltis em poucos minutos, uma gentileza que faz parte da estrelinha que já percebemos que acompanha Amorim. Estivesse lá o Sá Pinto e... Leia o resto →

Que raio de mediação foi a da Liga no caso da gripe sadina?

Há muitos, muitos anos, passei por momentos difíceis no estádio do Bonfim, quando adeptos do Vitória, em fúria, derrubaram a pontapé a porta da cabina da rádio e tentaram agredir o profissional que fazia o relato – que não concordara com os protestos dos que pediam penálti a favor dos da casa e dera razão ao árbitro. Recordei essa tarde triste, ontem, ao ver alguns exaltados, “pendurados” na tribuna, a insultarem Frederico Varandas, acusando-o, seguramente, de principal responsável pelo não adiamento da partida. É verdade que gente zangada anda por... Leia o resto →

Vender Acuña seria a estupidez no seu esplendor

O Sporting confirmou ontem que o seu plantel pode não ser uma maravilha mas tem mais valor do que aquele que alguns “especialistas” têm pintado. Bastou, para isso, que Jorge Silas dispusesse de tempo para trabalhar, enfrentando a realidade e potenciando as qualidades da matéria prima que lhe deram. Os leões jogaram taco a taco com o FC Porto e, na segunda parte, até sofrerem o segundo golo, foram claramente superiores. Não venceram por falta de coesão defensiva e falhas de marcação, mas também porque Vietto não é um finalizador.... Leia o resto →

O exemplo dos “patinhos feios” do Sporting

Domingo de felicidade para os frustrados que sofrem com o sucesso dos portugueses. Ao perder com o Chelsea, José Mourinho desperdiçou uma boa oportunidade de levar o Tottenham a alcançar os “blues” e a zona Champions da Premier. E Cristiano Ronaldo ficou sem o que seria o terceiro título em Itália, pois a Juventus – que joga poucochinho e tem menor rendimento hoje do que no tempo de Allegri – baqueou (outra vez) perante a Lazio. Já o sábado nos havia trazido o desgosto da derrota do Flamengo e de... Leia o resto →

O “soco” de Sérgio Conceição não passou de um equívoco

A última polémica que envolve o futebol português é mais um desgraçado exemplo do nível paupérrimo de que se reveste tudo o que não tenha a ver com a excelência dos artistas. O tenebroso caso do Jamor está convenientemente assombrado pelas dúvidas: agrediu Sérgio Conceição o colega de profissão Pedro Ribeiro? Terá sido outro o agressor e o agredido fez confusão? Ou será Ribeiro um louco à solta que procura protagonismo? Vou mais pela hipótese da agressão consumada, por dois sinais que parecem evidências. O primeiro é o facto de... Leia o resto →

É tempo de meter Dom Jesé na ordem

Com paciência de santo, Jorge Silas vai reconstruindo a equipa do Sporting, ainda que lhe vá faltando alguma afirmação como líder. Ontem, a propósito da titularidade de Max, lá veio dizer que “nenhum dos guarda-redes é intocável”, conceito que já tinha desenvolvido antes da partida, quando adiantou que só havia “um intocável”, naturalmente Bruno Fernandes. Silas deve ter aprendido a apaparicar esse endeusamento com os sucessivos treinadores de Cristiano Ronaldo, que não tiveram outra opção que não fosse catalogá-lo como o melhor do Mundo e arredores. Tem sido justo para... Leia o resto →

Rogério, o Pipi, esteve aqui

                  Terminava a primavera de 1952 quando Benfica e Sporting se defrontaram em mais uma final a Taça de Portugal. Lembro-me da emoção com que o meu pai, também ele adepto e sócio do Belenenses, seguiu o relato pela rádio, e recordo em particular a alucinante sequência de golos e o quinto do Benfica: a poucos segundos do fim, Rogério de Carvalho, o Pipi, fez o seu terceiro, o 5-4, e deu a vitória aos encarnados. Nunca mais esqueci essa tarde de... Leia o resto →

José Mourinho não podia ter começado melhor

Depois de demasiados meses a atravessar o deserto, José Mourinho voltou ao ativo, o que constitui uma oportunidade para os observadores de sofá. Para os que gostam do treinador – porque podem tornar a sonhar com grandes resultados desportivos. E para os que o odeiam – porque se reacende a esperança de que o mito tenha terminado. A estes últimos, lembro apenas uma realidade com a qual terão de viver: ainda que perdesse todos os jogos até ao final da carreira, Mourinho, pelo que já conseguiu, seria sempre um vencedor.... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top