Crónicas da Sábado: Tozé Inseguro

Chega a ser uma ternura, ler e ouvir o que a maioria dos analistas, candidatos e afins pensa de António José Seguro, não hesitando alguns, até, em traçar-lhe o destino: nunca será primeiro-ministro. Estou de acordo. Já concordei, aliás, quando se dizia o mesmo de António Guterres – jamais passaria de picareta falante –, de Durão Barroso ou de Passos Coelho. Sem esquecer Santana Lopes, que não houve tempo de queimar antes de chegar a São Bento, mas que foi depois contemplado com a mais cruel tentativa de assassínio político... Leia o resto →

Com Sócrates, Relvas ataca a alternativa

As brigadas de suposta proteção da pureza jornalística – uma fauna que trabalha pouco, mete o bedelho em tudo e odeia em particular que os órgãos de informação obtenham receitas e equilibrem as contas – atacaram desta vez a “liberdade” com que o diretor de informação da RTP convidou José Sócrates para analista político, a troco apenas, ao que parece, do tempo de antena. Melhor fora que, ao invés de dizerem e escreverem o contrário do que defendem quando lhes convém, atingissem o alvo: não é o jornalista – coitado!... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: uma realidade que dói

Em criança, não tinha especial interesse por animais. Um dos meus tios domesticara um pintassilgo, que lhe saltava de um ombro para o outro e recolhia sozinho à gaiola, e isso mexia comigo. Afinal, alguém me havia explicado, creio que por causa dos leões e dos elefantes dos circos, que só se conseguia ensinar os pobrezinhos se se tivesse a chave da despensa. Ou seja, passam fome até fazerem o que se lhes manda e deixarem pôr o pé no pescoço. Não gostava disso, e ainda hoje não gosto, talvez... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: Terramoto social à vista

Pronto, batemos no fundo. Ou talvez não, pode ser que tenhamos apenas encalhado num pequeno socalco do declive e o abismo continue bem mais para baixo. É, pelo menos, a desconfiança que nasce quando se vê o nariz torcido de Medina Carreira às novas medidas, se lê a análise de Nicolau Santos, publicada na última edição do Expresso e que nos promete uma crise até 2020, ou se ouve Teixeira dos Santos quando diz que a redução dos salários do Estado “é definitiva”, uma estranha maneira de minar a nossa... Leia o resto →

Hoje é Sábado: E se “eles” tivessem desaparecido?

Spínola foi útil? Talvez não. Soares serviu? De pouco. Sócrates faz falta? Nenhuma A vida teria sido melhor se Hitler tivesse desaparecido quando a mãe o mandou ao pão? Sem dúvida. O que se duvida, sim, é que a Europa fosse a sociedade de nações que é hoje sem a tragédia da Segunda Grande Guerra. Idêntica reflexão se poderia fazer sobre os portugueses que marcaram o último meio século? Guardando as devidas distâncias, pensemos então em Portugal sem Salazar, Caetano, Spínola, Otelo, Soares… ou Sócrates. Oliveira Salazar desapareceu – foi... Leia o resto →

Hoje é Sábado: A era dos poucochinhos

A fase pós-Sócrates não nos trará mais Santos Silvas. Vem aí a fornada dos Ricardos Rodrigues O episódio protagonizado pelo vice-líder parlamentar do PS, Ricardo Rodrigues, cujo guião, escrito pelo próprio, assentou numa confiscação de gravadores da SÁBADO que cobriu de ridículo o senhor deputado, não é um mero pormenor da vida política, e encerra, antes, um significado preocupante. Não gosto do ministro Augusto Santos Silva, que em boa hora Sócrates nos retirou da tutela da comunicação social, mas reconheço-lhe a solidez de pensamento – a que naturalmente corresponderá a... Leia o resto →

Hoje é Sábado – Enfermaria laranja

Ora aí temos as eleições no PSD para ficarmos enfim a saber quem vai ser o próximo bombo da festa. Os que acharem que a comunicação social tem sido particularmente agressiva com José Sócrates e já se esqueceram de como se deu o fuzilamento de Pedro Santana Lopes que se preparem. Ora, ora, pensarão, nós que já sugerimos que o primeiro-ministro era homossexual, que não pode considerar-se engenheiro, que comprou o curso, que houve vigarice na compra do seu apartamento, que foi ele quem executou aqueles horrorosos projectos de casas,... Leia o resto →

Hoje é Sábado – Sem um pingo de piedade

Na Jerónimo Martins, a alvorada dá-se às 8 e 45 da madrugada. Trata-se de uma violência Numa fantástica entrevista à SIC Notícias e ao jornalista Gomes Ferreira o empresário Alexandre Soares dos Santos traçou há dias um implacável retrato do que é hoje Portugal e do que são os nossos desgraçados hábitos. Estou de partida para umas pequenas férias, animado pelo sol que voltou a brilhar, e não quero aborrecer os meus leitores com o sublinhado do preocupante conteúdo dessas declarações, que vêm, aliás, na linha do que, talvez mais... Leia o resto →

O fecho da CRIL ou a incapacidade de planear

O ministro de Cavaco, Ferreira do Amaral, deveria ter terminado a CRIL em 1995. Não terminou e a “novela” arrastou-se durante 10 anos (!), com os tribunais à mistura. Até que chegou Sócrates e prometeu acabar a obra no final da sua primeira legislatura, ou seja até Outubro de 2009. Não acabou e foi o bom e saudoso ministro Mário Lino quem se deslocou, em Setembro último, ao local do sinistro, o nó de Benfica, para nova promessa: “até ao início de 2010,” a coisa estaria finalizada. Não esteve, ainda que... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top