Nuno Santos na TVI é a novidade que conta

O nascer da década trouxe-nos uma situação nova e outra de continuidade no funcionamento de dois canais generalistas. Começo pela última, a da RTP, que “reprovado” José Fragoso para a direção de informação, recorreu a um dos nomes que há anos flutuam como a cortiça, numa segunda linha cinzenta paga com o dinheiro dos impostos dos portugueses. Enfim, é para perder, pouco conta. A novidade é que importa porque assinala o início do fim do longo e penoso torpor em que se arrastam os programas da TVI. E essa lufada... Leia o resto →

O dia em que Lisboa foi a capital do Planeta

É uma viagem interplanetária, um “meeting” de visionários, uma feira de genialidades, um encontro de protagonistas do mundo novo – tudo o que quisermos. Só que o saloio que eu sou já deitava a Web Summit pelos olhos, não podia ver mais as “reportagens” de encher pneus com louros deslumbrados com o sol lisboeta, o bacalhau à brás, o café a 60 cêntimos. Boa viagem e até para o ano! Sim, quero que continuem a vir, a gerar negócios e, especialmente, a criar empresas e ferramentas que possam fazer o... Leia o resto →

Rui Rio fez prova de vida

Ficou acima dos dois milhões de espectadores mas longe dos quase três milhões que viram na TV, em 2015, o frente a frente de Costa com Passos. E o debate dos líderes suscitou agora menos interesse porquê? Provavelmente porque o desolador desempenho de Rui Rio desde que assumiu a presidência do partido tenha feito já com que muitos eleitores decidissem o sentido de voto – ou porque os seguidores do PSD preferiram não assistir ao que julgavam ir ser uma nova humilhação. Fizeram mal, no último caso, pois Rio enfrentou... Leia o resto →

O tocante gesto de Paulo Futre

Há quatro anos, um dia depois da partida da minha filha mais velha, tive o privilégio – abusando da paciência dos leitores de “Record” – de poder evocar, numa crónica, os êxitos de desportista da Teresa: quatro títulos nacionais de basquetebol. Recordei o facto ao ver, na última quarta-feira, a homenagem que Paulo Futre prestou ao seu pai – desaparecido há uma semana – no “Liga d’Ouro” da CMTV, a exemplo do que fizera já no “Record” e no Facebook, em textos dominados pelo orgulho e pela gratidão. Foi um... Leia o resto →

Paulo Futre, uma referência

Não dedicarei hoje esta coluna a um programa. Refiro apenas o “Liga d’Ouro”, da CMTV, em que José Manuel Freitas normalmente “enfrenta” – com a reconhecida competência – essa personalidade extraordinária que é Paulo Futre. Génio da bola e “globetrotter” do futebol – jogou em Espanha, França, Itália, Inglaterra e Japão – nem entre nós foi fiel a um emblema, pois vestiu a camisola dos três “grandes” e nos três deixou marca: no Sporting, onde se formou e permaneceu o coração, no FC Porto, que foi com ele bicampeão nacional,... Leia o resto →

As odiadas 12 horas de Jack Ma

Em 2013, ao formar-se a equipa do “Hora Record”, da CMTV, apontou-se para futura pivô do programa uma estagiária que pouco percebia de desporto. Como tinha potencial, incentivei-a a anular o “gap”, dedicando-se ao seu projeto laboral para além do horário normal. E ela passou a entrar mais cedo do que os colegas e a ir para casa muito depois deles. Juntava ainda, a 12 horas na redação, o tempo das conversas com o pai, adepto de futebol e que lhe esclarecia as dúvidas. Em três meses, a jornalista foi... Leia o resto →

SIC despreza três décadas de formação de opinião

Se o princípio de um ano convida à mudança, a transferência de serviços para instalações mais modernas funciona como gerador de criatividade e de descoberta de novas energias. É o que parece estar a acontecer na SIC, que ao sair de Carnaxide para o edifício de Paço de Arcos aproveita para fazer um “refresh” no canal de notícias, o tal que a estação apresenta, falsamente, como líder na informação. No início desta semana – só para dar um exemplo recente – a CMTV obteve uma audiência muito superior à de... Leia o resto →

Moniz e Dinis

Durante quase três anos, a política de recuperação de rendimentos de António Costa fez a vida negra à oposição. Mas as greves sucessivas de 2018 adubaram o terreno antes infértil da alternativa democrática, sem que Rui Rio crescesse nas sondagens ou que elas expressassem os desacertos do Governo. E foi preciso a comunicação social reforçar a sua missão de contrapoder – tarefa em que a CMTV têm estado praticamente só – para que se atacasse com maior intensidade a consequência perversa da propaganda: a dificuldade dos cidadãos em distinguirem a... Leia o resto →

O ADN da CMTV

Na terça-feira, tive uma surpresa, ia apanhando um susto. Estava no zapping do meio-dia quando dou com uma notícia de última hora na SIC Notícias: o comandante da GNR de Loulé fora detido por alegado envolvimento no caso de Tancos. Já está na CMTV, pensei. Mas na estação da casa seguia o imparável Duarte Siopa e o “Flash Vidas”. A TVI24 ocupava-se de um incêndio em Gondomar e a RTP3 tratava da vidinha habitual. Regressei à SIC Notícias, então com uma repórter junto ao posto da GNR, a falar dos... Leia o resto →

E Ricciardi lançou-lhes a bomba atómica…

A CMTV correspondeu como é habitual ao interesse do público e adiantou-se de novo à concorrência, desta feita para organizar o primeiro grande debate entre candidatos à presidência do Sporting. A ausência de três das sete personalidades permitia às presentes sublinhar pontos de vista e destacar-se do pelotão. Mas foi uma oportunidade perdida, já que só Pedro Madeira Rodrigues enfrentou o desafio com alguma técnica de comunicação televisiva: procurando o contacto visual com as câmaras, gesticulando de forma simétrica, variando o tom de voz e disfarçando a raiva. Infelizmente para... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top