Operação Páscoa: mais uma que serviu para pouco

Com a campanha da Páscoa, repetiram-se as idas à televisão de responsáveis pela luta diária dedicada, há tantos anos, à redução dos níveis de sinistralidade rodoviária. São várias as culpas pelo insucesso dessa batalha. A legislação em primeiro lugar, talvez. Mas ela existe e já é severa. Depois, a negligência dos condutores, que bebem demasiado, abusam da velocidade, encostam o telefone ao ouvido, atrapalham-se com os cigarros, enviam mensagens, circulam com pneus carecas ou usam as ruas como se estivessem num rali. Trata-se de uma questão cultural, do resultado de... Leia o resto →

As odiadas 12 horas de Jack Ma

Em 2013, ao formar-se a equipa do “Hora Record”, da CMTV, apontou-se para futura pivô do programa uma estagiária que pouco percebia de desporto. Como tinha potencial, incentivei-a a anular o “gap”, dedicando-se ao seu projeto laboral para além do horário normal. E ela passou a entrar mais cedo do que os colegas e a ir para casa muito depois deles. Juntava ainda, a 12 horas na redação, o tempo das conversas com o pai, adepto de futebol e que lhe esclarecia as dúvidas. Em três meses, a jornalista foi... Leia o resto →

Agricultores sem eira nem beira

Ao lançar “Quem quer namorar com o agricultor?”, 18 anos após estreia de “Farmer wants a wife”, em Inglaterra, a SIC fez de Portugal o último das três dezenas de países que, desde 2001, apostaram na capacidade do programa para captar audiências. Há pouco tempo, a SIC Mulher transmitiu a nona (!) temporada da versão australiana, um luxo que ia da imensidão das herdades ao nível das candidatas, passando pelo cheiro, intenso, a dinheiro. Também pela realização, pois em televisão a abundância de recursos ajuda muito. Na edição portuguesa nota-se... Leia o resto →

A derrota de “Olhó Baião!”

Em março, a SIC voltou ao topo das audiências e não se poupou na divulgação da proeza. O regozijo da estação de Balsemão é, de facto, tão natural como o da CMTV, que acaba de somar 27 meses consecutivos na liderança do cabo. A questão está nos exageros. Ainda há pouco, a SIC Notícias vangloriava-se de ser número 1 na informação e nem metade da audiência da CMTV consegue. Agora, é o canal estrela de Paço de Arcos a meter vencedores e vencidos no mesmo saco de êxitos que o... Leia o resto →

A vida Costa

A última sondagem sobre as eleições europeias dava o PS só 5% à frente do PSD. Se isso resulta muito da má aposta dos socialistas – Pedro Marques tem uma imagem que não “passa” – é também consequência do desgaste a que está submetido António Costa e de que a televisão é palco diário. Referi aqui a sequência imparável de greves e manifestações, e de protestos pela degradação dos serviços públicos, que prometem continuar a abrir telejornais. Entretanto, rebentou a bolha das relações familiares na área governativa – a TVI... Leia o resto →

O fracasso da TVI

A mudança na direção de programas marcou o início do regresso da SIC à liderança e a contratação de Cristina Ferreira foi seguida de outras medidas de gestão de recursos e de captação de audiências igualmente importantes. O segundo tiro na “mouche” de Daniel Oliveira foi o da recuperação de Júlia Pinheiro. A apresentadora, “desaparecida” após o “flop” das manhãs, encontrou no novo “Júlia” o porto de abrigo, sendo raro o dia em que não bate o “A tarde é sua”, de Fátima Lopes. Desgastada pelas piadolas e pelo equívoco... Leia o resto →

TV porno, a nova face da RTP

Com os crónicos défices de exploração suportados pelos nossos impostos, a RTP devia perseguir uma programação alternativa que honrasse o seu papel de serviço público. E consegue-o, por exemplo, à quarta-feira, com o “Cá por casa”, de Herman José, uma brisa de humor, boa conversa, talento e cultura qb. Afinal, superar os 300 mil espectadores de audiência média, na hora em que as novelas de TVI e SIC somam dois milhões, é uma proeza. O reverso da medalha – menos de 80 mil a ver, um desastre – acertou-me em... Leia o resto →

Obrigado, Cristina!

António Costa somou pontos – e intenções de voto – com um desempenho profissional no “Programa da Cristina”, que na terça-feira terminou com mais de um milhão de espectadores. Como é hábito, o primeiro-ministro utilizou a capacidade de ser ou parecer ser genuíno e mostrou-se tão à vontade a responder a questões de política como a preparar a caldeirada – tarefa “improvisada” que estudou ao pormenor, como se percebeu quando não deixou passar uma incomodidade que saltava à vista: os tomates não estavam lavados… Costa aproveitou também eficazmente a presença... Leia o resto →

SIC à frente e TVI a dormir

Algum dia a SIC teria de despertar do sono profundo com que ajudou a TVI a ser líder de audiências por 12 anos consecutivos. Foi por uma décima é certo – 18,6% contra 18,5% – mas conta na mesma e, em fevereiro. a estação de Paço de Arcos ficou finalmente à frente da de Queluz. O acordar da SIC deu-se em simultâneo com a estranha letargia da concorrente, o típico fenómeno português que faz com que os vencedores ocasionais julguem sê-lo em definitivo e adormeçam à sombra da bananeira. E... Leia o resto →

Televisão cerca António Costa

Na TVI, “Gente que não sabe estar”, de Ricardo Araújo Pereira, sublinha, como cabe a um programa de humor, as contradições, os absurdos e os erros dos poderosos. É um reforço natural para a oposição – menos alvejada pelas críticas por ser menos protagonista – e que vem juntar-se, no suplício do Governo, a “Deus e o Diabo”, de José Eduardo Moniz, na estação de Queluz, e “A procuradora”, de Manuela Moura Guedes, na SIC. São três pilares relevantes no desgaste a que se sujeita António Costa, como se não... Leia o resto →

« Entradas mais antigas Posts mais recentes »

 
Back to top