“Som de cristal” ou a arte de divertir

Vivo entre dois mundos: o que não pode dispensar o humor – nada supera uma boa gargalhada – e aquele que não suporta a piadola vulgar, forçada e de mau gosto. Faço, assim, por ignorar os contadores de anedotas que por aí pululam e que, julgando ter graça, ganham uns trocados “amandando” bojardas.

Coisa diferente é a utilização cáustica da palavra – como denúncia, desafio e provocação. E, claro, como exposição e exploração do ridículo e do absurdo. Vejo esse exercício de volta, na SIC, com “Som de cristal”, de Bruno Nogueira, que trocou o guião elaborado pelo aproveitamento inteligente de momentos banais que sublinham a autenticidade da vida e o prazer lúdico que dela podemos retirar.

É um programa divertido esse, em que o humorista invade o planeta “cromático” dos cantores populares de Rolex – e aquele “cantinho” brutal do Quim Barreiros? – para confirmar a sua qualidade na complexa arte de divertir, desta vez recorrendo apenas ao tempo e à oportunidade. Um verdadeiro achado.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 5SET15

Partilhar

Os comentários estão fechados.