Só se pode bater mal

Leio no “Negócios” que nos últimos seis meses o Novo Banco foi o campeão do financiamento aos clubes de futebol, como se não vivessem os nossos emblemas acima das suas possibilidades e como se das cinzas do falido BES tivesse nascido um potentado financeiro.

Não ganhamos juízo, como se confirma com os 36% (!) de crescimento, em fevereiro, das vendas dos veículos ligeiros. Ou com a torpeza do fisco, que penhorou a comida (?) que uma ONG destinava aos pobres do Porto, coisa vergonhosa. Ou com a descoberta, quase diária, de sofisticadas perdas de memória e novas vigarices.

O facto de não andarmos a bater bem é uma mina para os espertalhões. Helena Roseta, essa mais-valia eleitoral com montra televisiva, veio arengar contra a hipotética isenção de 4,6 milhões de taxas camarárias ao Benfica, uma mistificação denunciada pelo vereador do Urbanismo da CML, Manuel Salgado: o “perdão”, a acontecer, seria de 1,7 milhões, menos de metade.

Vivemos entre o delírio e a aldrabice, triste sina.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 7MAR15

Partilhar

Os comentários estão fechados.