Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Rui Rio fez prova de vida

Ficou acima dos dois milhões de espectadores mas longe dos quase três milhões que viram na TV, em 2015, o frente a frente de Costa com Passos. E o debate dos líderes suscitou agora menos interesse porquê? Provavelmente porque o desolador desempenho de Rui Rio desde que assumiu a presidência do partido tenha feito já com que muitos eleitores decidissem o sentido de voto – ou porque os seguidores do PSD preferiram não assistir ao que julgavam ir ser uma nova humilhação.

Fizeram mal, no último caso, pois Rio enfrentou com êxito o primeiro-ministro, adotando um discurso equilibrado, despido de animosidade mas contundente, que nos deu, enfim, a imagem de um político preparado e com uma postura de Estado que só os fanáticos do lado oposto da trincheira desdenhariam ver chefiar o Governo – se vencesse as eleições.

Talvez haja chegado tarde esta versão educadamente afirmativa – ah, como a sua cordialidade ajudou Costa! – de um homem abandonado pelos “notáveis” de um partido que foi incapaz de unir. Mas se Rui Rio mantiver o tom combativo de segunda-feira – que repetiu na quinta, na CMTV – poderá ainda levar às urnas muitos descrentes e evitar a autodestruição laranja. Rio deixou de correr só para o mar.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 21set19