Reviver o pesadelo em Auschwitz

Polónia2

À porta de Auschwitz, em 1975, Paulo Fernando, José Jorge Letria e José Silva Pinto escutam a guia, uma sobrevivente do campo

“Se Hitler invadisse o inferno, eu faria pelo menos um comentário a favor do diabo na Câmara dos Comuns” – Winston Churchill, estadista, desaparecido há 50 anos, a 24 de Janeiro de 1965

A 30 de Setembro de 1975, o Presidente Costa Gomes deixou Lisboa para uma visita de Estado à Polónia e à União Soviética. Se a memória não me atraiçoa, foi num hotel de Varsóvia que os jornalistas souberam da ocupação do Palácio Foz – onde trabalhava o ministro da Comunicação Social do VI Governo provisório, Almeida Santos – por dezenas de manifestantes pró-Otelo. O 25 de Novembro estava em marcha. Mas a recordação mais intensa que guardo dessa viagem foi a visita ao campo de extermínio de Auschwitz, libertado pelas tropas soviéticas a 27 de Janeiro de 1945, fez esta semana 70 anos. Os guias que nos conduziram pelo percurso do horror eram antigos prisioneiros que reviviam ainda, de forma terrível, a brutalidade nazi. Hoje, que novos holocaustos se vão espalhando pelo Mundo, o conclusivo nunca mais de há 40 anos parece uma frágil declaração de intenções.

Polónia3

Comandante nazi foi enforcado no próprio campo

Criado em 1940, em antigas instalações militares, o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, no sul da Polónia, foi – entre o início de 1942 e o final de 1944 – palco do assassínio de cerca de um milhão e meio de pessoas, 90 por cento das quais judeus, mas também ciganos e prisioneiros de guerra soviéticos, entre outros. Julgado em Nuremberga e condenado à pena capital, o primeiro comandante de Auschwitz, Rudolf Hoess, foi enforcado no próprio campo da morte, em 1947.

Parece que foi ontem, Sábado, 29JAN15

Polónia1

Na Praça do Mercado da Cidade Velha, da capital polaca, Costa Gomes foi alvo da curiosidade popular

 

 

 

 

 

Partilhar

Os comentários estão fechados.