Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Record de parabéns… duplos!

 

Continuam a chegar boas notícias para o Record, apesar da crise que atinge todos os títulos e, afinal, o próprio País e quase todos os negócios.
Ontem, soubemos que o Record Online continua a ser o site português mais visto na Internet, tendo batido em abril o seu próprio recorde de pageviews, com mais de 210 milhões (!) – quase mais 20 milhões que o principal concorrente. Isso depois de havermos ultrapassado as 170 mil aplicações gratuitas multiplataformas, outro êxito admirável.
Mas a boa-nova de anteontem foi também entusiasmante, já que a decisão do CNID – que tal como o Clube de Jornalistas procura unir uma classe dividida por raivinhas retrógradas e mentalidades pequeninas – de distinguir, este ano, na imprensa escrita, o nosso camarada Rui Dias, honra Record e todos os que nesta casa servem o leitor.
Anda por cima, o Rui vai receber o Prémio José Neves de Sousa, meu mentor e meu amigo, outra figura de referência do jornalismo português. Por maior que seja a crise na economia, a crise de valores terá dificuldade em instalar-se enquanto houver instituições que lutam pela seriedade do trabalho e fazem justiça ao talento e ao mérito.

Continuam a chegar boas notícias para o Record, apesar da crise que atinge todos os títulos e, afinal, o próprio País e quase todos os negócios.Ontem, soubemos que o Record Online continua a ser o site português mais visto na Internet, tendo batido em abril o seu próprio recorde de pageviews, com mais de 210 milhões (!) – quase mais 20 milhões que o principal concorrente. Isso depois de havermos ultrapassado também as 170 mil aplicações gratuitas multiplataformas, outro êxito admirável.

Mas a boa-nova de anteontem foi igualmente entusiasmante, já que a decisão do Clube Nacional da Imprensa Desportiva (CNID) – que tal como o Clube de Jornalistas procura unir uma classe dividida por raivinhas retrógradas e mentalidades pequeninas – de distinguir, este ano, na imprensa escrita, o nosso camarada Rui Dias, honra Record e todos os que nesta casa servem o leitor.

Anda por cima, o Rui vai receber o Prémio José Neves de Sousa, meu mentor e meu amigo, outra figura de referência do jornalismo português. Por maior que seja a crise na economia, a crise de valores terá dificuldade em instalar-se enquanto houver instituições que lutam pela seriedade do trabalho e fazem justiça ao talento e ao mérito.

Passe curto, publicado na edição impressa de Record de 9 maio 2012