re: Paulo Sérgio: um azar que dá que pensar

Não, meu caro Pedro.

Sou um pecador, mas a inveja não consta do rol. Não tente ser presunçoso, nem tente adivinhar o que penso sobre os assuntos. Eu tenho muito gosto em esclarecer qualquer coisa que ache que valha a pena que eu esclareça. Basta perguntar.

Parece é que aos olhos dos benfiquistas, o Jorge Jesus é mesmo o “Messias”, insusceptível de qualquer tipo de comparação e crítica. É o sujeito que nasceu ensinado, mas que só na Luz viu a “luz”.

Reconheço capacidade ao Jorge Jesus. Aliás, já lhe reconhecia competência há muitos anos, pelo trabalho realizado numa série de clubes por onde passou (inclusive no Belém, clube de que fui sócio, nos meus tempos de faculdade). Isso não invalida que tenha boa imprensa, porque a tem.

Fossem quais fossem as condições do Moreirense, não deixa de ser um falhanço. Também só “falhou” a descida com o Guimarães por 2 pontos (diga lá, acha que os Vitorianos se sentem mais orgulhosos pelo trabalho que o Jorge Jesus por lá fez?); desceu com o Felgueiras. Agora, isso faz do Jorge Jesus pior treinador?

Se o Paulo Sérgio reconheceu o fracasso, então, meu caro, ainda mais me enche de esperança num futuro risonho. E sabe porquê? Porque admiro pessoas que não têm medo de falhar, nem de assumir que falharam.

Gosto de pessoas que não se deixam ficar reféns da gestão de expectativas. Há já muito tempo que não havia ninguém em Alvalade com este tipo de discurso. Pelo menos, o Paulo Sérgio não se faz de coitado.

Agora, a insistência nos “falhanços” do Paulo Sérgio, ainda antes de o homem começar a trabalhar, negligenciando o seu percurso até aqui e esquecendo que este homem tem uma filosofia de jogo diferente dos seus pares, na primeira liga, parece-lhe o quê? Acrescento que este homem nunca desceu nenhuma equipa, nem nunca foi despedido de lado algum.

Por isso, a comparação deve resumir-se a este facto: o Jorge Jesus, que tem uma carreira mais longa, tem mais insucessos e (esta época à parte) tem o mesmo nível de currículo (uma final da taça para ambos, um 5º lugar para o JJ e um 6º para o PS). Algum destes factos determinou que o Jesus fosse incapaz para treinar o Benfica? Alguém falou em sorte ou azar pelo 5º lugar obtido por um plantel que fez este ano 2º lugar (é certo que o JJ quis dizer que este ano treinou duas equipas – foi uma coisa bonita de se dizer)?

Mas não insistindo na comparação com Jesus, que parece perfeito em toda a sua condição (com excepção do seu sportinguismo), eu apresento-lhe a comparação com os 3 últimos treinadores do Sporting. Este é bem melhor que qualquer um deles.

Nada do que referi o faz melhor treinador que o Jesus, se é isso que pensa que eu estaria a insinuar. Mas também ainda NADA foi demonstrado que o torne incapaz de treinar o Sporting. E, pessoalmente, a única comparação que pretendo fazer com o Benfica é a classificação no final da próxima época.

Partilhar

Os comentários estão fechados.