Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Pesadelo e vergonha na Torre de Belém

As receitas do turismo, a mais relevante exportação, portuguesa, constituem ajuda decisiva no combate à crise. E Lisboa abarrota de visitantes neste Agosto. Deus deu-nos as nozes do território, da luz, do mar e do clima, a que nós acrescentámos a simpatia e a hospitalidade. Só os poderes públicos têm ficado aquém do que deveria ser-lhes exigido e a capital do turismo, que pretendemos ser, deixa a desejar em múltiplos aspectos.

Esta semana, uma reportagem do Público denunciava a inacreditável tortura a que sujeitamos os 2 500 visitantes diários da Torre de Belém, com filas de espera à torreira do sol, horas para chegar ao topo do monumento, multibanco fora de serviço,, inexistência de visitas guiadas, funcionária da bilheteira sem saber falar inglês e por aí fora.

Mas basta passar junto à Torre para nos envergonharmos com o estado desleixado do que foi outrora um jardim e não passa hoje de um terreno triste e poeirento, um sinal gritante de falta de noção do que é qualidade de vida e um postal ilustrado que muito prejudica uma actividade que puxa Portugal para fora do buraco.

IMG_1419
Abundância de água em Telheiras, falta dela em Belém, mesmo junto ao Tejo…

E não me venham com a estúpida lamúria do não há dinheiro porque tenho, à minha porta, uma pequena elevação ervada que serve os cãezinhos do bairro e que é – às sete da manhã de todos os dias! – chocantemente regada. Já em Belém, junto ao rio, a seca é extrema…

Parece que foi ontem, Sábado, 27AGO15