Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

O Zé Paulo Canelas partiu e alguma coisa ficou por dizer

Canelas12

Há 15 anos, quando passei a dirigir o diário 24horas, fiquei de propor à administração da Lusomundo o nome de um director para me substituir no semanário Tal&Qual. E lembrei-me do José Paulo Canelas, que conhecia bem e que tinha deixado o “desportivo” O Jogo há algum tempo. Nem tudo correu bem na nossa colaboração – eu fiquei como director editorial dos dois títulos e continuei por isso a acompanhar o T&Q – e alguns meses depois o Zé Paulo passou para editor do Desporto do 24.

Não tenho hoje a certeza de ter sido essa a melhor solução, mas jamais o ZP me cobrou pela falta de apoio que terá sentido, optando sempre por reforçar uma amizade que vinha de 1983, quando ele e o António Magalhães venceram um concurso para novos jornalistas e passaram a integrar a redacção do também “desportivo” Off-Side.

Canelas24

Cito um amigo comum, o Nuno Farinha: a partida do Zé Paulo Canelas arrasa-me. Mas lembro-me que a minha filha Teresa queria muito que as recordações não fossem o que ficou por dizer. A verdade é que não terei sido justo contigo, nessa e noutras ocasiões, grande ZP. Sinto-me em falta, um dia ainda havemos de falar disso.

Parece que foi ontem, Sábado, Canelas1Canelas198421ABR16

Canelas4

Canelas991533760_584954311598802_521237676_nCanelas6Canelas2Canelas5