O sonho de viver sem trabalhar

Com mais 14 mil espectadores, “A tarde é sua”, da TVI, conseguiu na terça-feira um feito raro: superiorizar-se a “Júlia”, da SIC, graças ao recurso a um golpe infalível: uma história de sexo. Fátima Lopes teve o apoio da competência de Teresa Paula Marques na condução da conversa com uma suposta vítima, no sentido moralista que os canais sempre dão aos temas escabrosos em horário “familiar”.

O problema é que o guião era pantanoso. A “queixosa”, uma mulher de 27 anos – com um percurso nada exemplar no celerado “Love on top” – foi apontada como sendo “muito jovenzinha”. E a sua presença justificada pelo aviso que o caso poderia constituir para outras incautas, com défice de massa cinzenta, que caem nas manhas dos caçadores sexuais.

Ao longo de quase uma hora de paleio e para chegarem à tese útil da “violação” (?), Fátima e Teresa tiveram de engolir as confissões da jovenzinha: “companhia” em troca de pagamento de “despesas”, beijos na boca, viagem à Tailândia, anel e pedido de casamento aceite (em Cannes!), relações íntimas consentidas durante meses e até solicitação de dinheiro depois de ter fugido do “terror”.

Ficou tudo claro. A ambição de viver sem trabalhar criou o predador e fez a vítima.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 15ago20

Partilhar

Os comentários estão fechados.