Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

O início da Liga promete muitas emoções

Não podia ter começado melhor a Liga, com o Sporting a arrastar para Aveiro muitos milhares de adeptos, continuando assim a encher a onda de euforia que rodeia a equipa. Ou rodeava, porque o jogo com o Tondela devolveu um pouco os sportinguistas à realidade: há muito trabalho e um longo percurso pela frente. A vitória, conseguida nos últimos segundos, de penálti, a punir uma falta infantil dentro da área, resultou de um raio de sorte que nem sempre surge – cuidado, então. O embate de amanhã, com o líder da liga russa, o CSKA – que sofreu apenas um golo em cinco jogos –, vai mostrar-nos, mais claramente, a real valia do atual Sporting.

Mais promissora foi a estreia do FC Porto, face a um V. Guimarães a anos-luz do legado de Rui Vitória. Os azuis-e-brancos parecem no caminho de uma temporada positiva e foi muito bom ver o feliz regresso de Varela a casa – e ao nível futebolístico que é o seu. O que lhe terá passado pela cabeça para deixar o Dragão?

Excelente início de campeonato também para dois treinadores que muito aprecio: Luís Norton de Matos e Lito Vidigal. À frente de dois “patinhos feios” da prova, com orçamentos reduzidos e limitações várias, começar a ganhar – e para mais fora, o Arouca – é um incentivo importante para os dias difíceis que virão.

Quanto ao Benfica, goleou o Estoril graças a… Júlio César. Sim, foram duas defesas geniais do brasileiro que impediram o adversário de se adiantar no marcador e de escrever outra história do jogo. No futebol, sendo decisivo o coletivo, é com os grandes protagonistas que se alimenta o sonho dos objectivos mais ambiciosos. E pensar que o Benfica andou anos a brincar aos guarda-redes…

Canto direto, Record, 17AGO15