O grande Manuel Fernandes

As empresas não são repartições estanques, com os seus vícios, os seus sonos e a tranquilidade que lhes oferece como falsa garantia o passado. Refletem, sim, a sociedade e a sua evolução, as suas aspirações, dúvidas e problemas, e as perspetivas que se abrem ao seu crescimento e ao futuro.

Não temos já aqui no Record uma boa dezena de jornalistas que gostaríamos de ver ainda connosco se o jornal, a imprensa, o País e o Mundo fossem hoje o que eram há 10 ou 15 anos. A realidade não se compadece com romantismos, nem sequer respeita o que seriam normais sentimentos de justiça e solidariedade. Vivemos diariamente no limite, amparamos com as próprias mãos os frágeis muros que nos separam da crueldade e do absurdo.

Deixo esta introdução para lhes dizer a seguir como compreendo, e como acho, em simultâneo, uma vergonha, o que o Sporting está a fazer a Manuel Fernandes, símbolo de um clube que perdeu, irresponsavelmente, quase todas as referências.

É fácil e popular defender uma figura como a do antigo capitão e extraordinário goleador. Difícil é arranjar disponibilidade financeira para honrar as resmas de compromissos que o Sporting contraiu de forma demagógica, pagar todas as contas e equilibrar a balança do “deve” e do “haver”. Para poder então aspirar ao objetivo maior que, refeita a imagem de honradez, se coloca a Bruno de Carvalho: a recuperação da grandeza leonina.

Do ponto de vista pessoal, estou do lado de Manuel Fernandes, que muitas vezes vi atuar e que tanto me emocionou com a sua entrega ao jogo e efetivo amor à camisola. Mas como jornalista, e também como gestor, só posso entender e aceitar a redução de cargos e de custos levada a cabo por uma direção que herdou tempos de delírio bem intencionado e de voluntarismo irrealista.

E se gigante foi o capitão, gigantesca é agora a tarefa de manter vivo o emblema que fez do grande Manel um ídolo. 

Canto direto, publicado na edição impressa de Record de 27 abril 2013

As empresas não são repartições estanques, com os seus vícios, os seus sonos e a tranquilidade que lhes oferece como falsa garantia o passado. Refletem, sim, a sociedade e a sua evolução, as suas aspirações, dúvidas e problemas, e as perspetivas que se abrem ao seu crescimento e ao futuro.
Não temos já aqui no Record uma boa dezena de nomes que gostaríamos de ver ainda connosco se o jornal, a imprensa, o País e o Mundo fossem hoje o que eram há 10 ou 15 anos. A realidade não se compadece com romantismos, nem sequer respeita o que seriam normais sentimentos de justiça e solidariedade. Vivemos diariamente no limite, amparamos com as próprias mãos os frágeis muros que nos separam da crueldade e do absurdo.
Deixo esta introdução para lhes dizer a seguir como compreendo e como acho em simultâneo uma vergonha o que o Sporting está a fazer a Manuel Fernandes, símbolo de um clube que perdeu, irresponsavelmente, quase todas as referências.
É fácil e popular defender uma figura como a do antigo capitão e extraordinário goleador. Difícil é arranjar disponibilidade financeira para honrar as resmas de compromissos que o Sporting contraiu de forma demagógica, pagar todas as contas e equilibrar a balança do “deve” e do “haver”. Para poder então aspirar ao objetivo maior que, refeita a imagem de honradez, se coloca a Bruno de Carvalho: a recuperação da grandeza leonina.
Do ponto de vista pessoal, estou do lado de Manuel Fernandes, que muitas vezes vi jogar e que tanto me emocionou com a sua entrega ao jogo e efetivo amor à camisola. Mas como jornalista, e também como gestor, só posso entender e aceitar a redução de cargos e de custos levada a cabo por uma direção que herdou tempos de delírio bem intencionado e de voluntarismo irrealista. E se gigante foi o capitão, gigantesca é agora a tarefa de manter vivo o emblema que fez do Manel um ídolo. 

Partilhar

Os comentários estão fechados.