Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

O abraço de Fátima Lopes ao Chico Chicaia

Não sou fã de Fátima Lopes e da sua tendência para a lágrima fácil. Mas não me deixo levar por opiniões definitivas, nem alimento antipatias primárias. Por isso, não encarei agora o “show off” da apresentadora com um sem abrigo – no “A tarde é sua”, da TVI – de pé atrás, do género “lá está ela a trabalhar para a imagem de boazinha”.

Ao contrário, protesto há imensos anos – talvez há milhares de crónicas, ai, ai… – pela indiferença de tantas figuras públicas que fecham os olhos ao sofrimento dos que tiveram menos sorte, como se não fosse sua obrigação moral devolver à sociedade pequena parte que seja do muito que recebem.

Essa ausência de espírito solidário é particularmente chocante em alguns – demasiados – milionários do futebol e naqueles protagonistas da televisão que fazem gala de divulgar ganhos e exibir património, num estúpido exercício de pequenez. Foi toda essa atitude de egoísmo e arrogância que Fátima Lopes derrotou com o abraço noturno que pode ter mudado a vida do Chico Chicaia. Chapeau!

Um parágrafo final para estender a chapelada ao Manuel Luís Goucha, que no “Você na TV” meteu na ordem uma admiradora sua que tratou Cristina Ferreira por “a outra”. Ter caráter é muito bonito.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 27OUT18