Menti-te: eu sabia que iria chorar por ti

Quiseste dar-nos o conforto de estarmos contigo quando partiste, Teresa. A mim, àquela que te trouxe ao Mundo, ao grande marido que escolheste – e que sempre sofreu a teu lado – e a alguns dos amigos mais chegados. Não podiam ser todos, como tu gostarias e eles também.

IMG_1074

Recordo, querida, uma das nossas últimas conversas, e o momento em que me disseste: “Pai, estou tranquila, tive uma excelente família, amigos a sério e uma profissão que me realizou. Viajei e diverti-me. Foi uma vida boa, só me queixo por não ter sido um pouco mais longa. Quero que fiques bem”.

Sabias que isso nunca irá acontecer e mesmo assim menti-te. Como sabias que já te tinha mentido, há sete anos, quando aqui, na Sábado, te dediquei uma crónica de amor, alento e utopia: Não chorarei por ti.

Mas tentarei sobreviver, preciso de ajudar a Mariana e a Joana a chegarem a porto seguro, determinaste o meu papel e quero cumpri-lo. Agora, resta-me agradecer à Fernanda Dias e a todos os teus companheiros de trabalho, que tanto te apoiaram, e a Francisco Pinto Balsemão, que ao deixar-te dirigir as tuas duas revistas até ao fim permitiu que, também aí, morresses como querias: em combate.

E no dia 8 lá estaremos, no local que escolheste. Não te atrases, Tê.

Parece que foi ontem, Sábado, 2JUL15

T1

Sucesso desportivo: a Teresa, com o n.º 13, na equipa do CIF que foi campeã nacional de basquetebol, em 1991

 

T3

Sucesso profissional: a Teresa, à esquerda de Pinto Balsemão, na foto comemorativa dos 20 anos da TVMais, em 2013

_IMA9400

Sucesso pessoal: a Teresa (bem ao centro na imagem) com a família e os amigos, num almoço que ela própria promoveu (e a mana Maria João organizou), em Lisboa, junto ao rio, a 31 de maio de 2015 – 20 dias antes de nos deixar

Partilhar

Os comentários estão fechados.