Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Maria Leonor, a mulher que faltava aqui

A propósito do 86.º aniversário de Maria de Lourdes Modesto – ícone da culinária e da televisão portuguesa dos anos 50 e 60 – assinalado há dias pela RTP, recordei o breve contacto que mantivemos, promovido por Maria Leonor. E reparei que em mais de 100 páginas desta secção da SÁBADO ainda não me tinha referido a uma das maiores profissionais, para não dizer a maior, com quem tive o privilégio de colaborar em meio século de carreira.

Leonor4

Maria Leonor era terrível e por vezes mesmo intratável quando chegava a hora de trabalhar. Perfecionista, exigia aos outros o que impunha a si própria. Mas tinha na outra face da moeda o rosto, terno, amigo e empenhado, de uma mãe protectora que a todos acudia. Ajudou-me quando a irreverência ameaçava deixar-me sem emprego, quando estive no serviço militar, quando decidiu – sim, ela decidia o que eu e os meus companheiros da Emissora Nacional podíamos fazer – que, sendo alto, eu devia tentar ser manequim (foto em baixo). E proporcionou-me, com isso e com o resto, momentos de crescimento e afirmação que permanecem.

Trabalhei também, entre 1968 e 1974, com o seu ex-marido, Pedro Moutinho, voz de ouro e outra figura extraordinária. Era um salazarista que lia, fielmente e nos intervalos das notícias, o Canal da crítica, de Mário Castrim, no Diário de Lisboa, um jornal de esquerda. Não sou saudosista, mas profissionais desta estirpe, lamento, já não temos.

Leonor1

Leonor3O dia em que conheci Maria de Lourdes Modesto e disse adeus à Fima-Lever

Em 1968, irritada por eu trabalhar seis horas por dia na Emissora, Maria Leonor mandou-me ir falar com a sua amiga Maria de Lourdes Modesto, muito popular pelo programa de culinária que apresentava, desde 1958, na RTP, e quadro superior da Fima-Lever. Mas para ter lugar numa grande empresa como aquela eu precisava de estar disponível a tempo inteiro, explicou-me Maria de Lourdes, pelo que a boa intenção de Maria Leonor ficou por aí. Recuperei a conversa de há 48 anos, nas Amoreiras, há dias, quando a RTP voltou a fazer brilhar uma estrela (fotos acima).

Parece que foi ontem, Sábado, 30JUN16

Leonor9
No já demolido Hotel Estoril Sol, o escriba em desfile…