José Couceiro, uma boa escolha

Tenho aqui criticado a gestão desportiva do Sporting no mandato de José Eduardo Bettencourt, crítica mal vista pelos “incondicionais” mas que a situação dos leões, desportiva e financeira, teima em confirmar.

Curiosamente, achei que o clube de Alvalade ficava bem entregue a este presidente, como gostei da escolha de Paulo Sérgio e considerei avisada a contratação de Costinha. Mas nem sempre as pessoas certas conseguem bons resultados, e aí o mal não será delas e sim de fatores conjunturais que não puderam ultrapassar.

Bettencourt volta a acertar agora, com a chamada de José Couceiro. Não espremamos o currículo do novo diretor-geral a ver se pinga ouro, olhemos apenas para ele e compreendamos que este quadro do Sporting, ao passar por diversos cargos em vários clubes, alguns grandes, e seleções – cá e lá fora –, acumulou um capital de experiência que pode ser crucial para esta fase difícil do futebol dos leões.

Além disso, é um homem à medida de Bettencourt (salvo seja!), correto e ponderado, e que se apresenta ainda com um trunfo poderoso: o da pessoa que falhou e aprendeu com os erros. Ora aí está, gente que sabe, gente preciosa em todas as organizações.

Passe curto, publicado na edição impressa de Record de 23 dezembro 2010

Partilhar

Os comentários estão fechados.