Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

“Jornal de Notícias” perde 40% de vendas em sete anos

Apesar de ter no seu grupo dois diários que registam já, em alguns dias da semana, vendas em banca próximas ou mesmo abaixo de 15 mil exemplares, o “Jornal de Notícias” resolveu ontem, na divulgação dos resultados da APCT referentes a setembro/outubro 2011, fazer chamada de capa com a sua pretensa “subida” e com o que chama de “queda livre” de Record – um sinal de importância que muito agradecemos, tanto mais que continuamos a registar mais do dobro das vendas de “O Jogo”, que pertence ao grupo do JN.

Melhor fora, no entanto, um olhar para dentro e para o verdadeiro trambolhão que o JN dá – e que os quadros ao lado provam sem margem para dúvidas. Líder da imprensa diária até 2003, o jornal nortenho viu-se então ultrapassado pelo “Correio da Manhã”, que já lhe levava em outubro uma vantagem de… 50 mil exemplares!

A “subida” do JN assenta no milagre do item “assinaturas”, que eram 800 em fevereiro último e que “cresceram” para 10 mil (!) em setembro. Para se ter uma ideia do fenómeno, diremos que o jornal que mais vende em Portugal, o “Correio da Manhã”, tem apenas 28 assinaturas. A “subida” do JN não é, assim, mais do que a máscara para uma evidência: as vendas de setembro e outubro foram as piores dos últimos 12 anos.