Diários perderam cerca de 18 milhões de exemplares em 2012

 

Os cinco diários generalistas de circulação nacional, os dois de economia e dois de desporto – Record e “O Jogo” – venderam em conjunto, em banca e em 2012, menos 14,8 milhões de exemplares do que no ano anterior, uma descida de 11,9%, havendo ainda que contar com a quebra de vendas de “A Bola”, que recusa a auditoria da APCT, mas que se calcula tenha sido na ordem dos 3 milhões de exemplares/ano.

As perdas maiores foram do “Jornal de Notícias”, que caiu 13.624 exemplares/dia, 17,8%, quase 5 milhões/ano, cabendo ao líder “Correio da Manhã” o melhor resultado, com menos 1,8 milhões, apenas 4,1%.

Nos quatro títulos semanários, a queda foi igualmente assinalável, 25.094 exemplares por edição, menos 12,4%, de que resultou uma quebra de 1,3 milhões de exemplares. O “Sol” foi o mais penalizado, com uma diminuição de vendas em banca na ordem dos 26,8%.

Quanto aos grupos de média, a líder Cofina foi a que menos perdeu, 7%, “contra” 15% da Controlinveste, 12% da Impala e 11% da Impresa. O grupo em que se integra o nosso jornal vendeu em banca, no ano findo, 77,6 milhões de exemplares, confirmando ser o maior editor português, com um “share” de 35%, dois pontos acima do que se verificava em 2011.

A circulação total paga de Record foi de 55.196 exemplares/dia, com uma quota de mercado de 71%, e a de “O Jogo” terminou 2012 nos 22.897 mil exemplares, de acordo com a relatório da APCT hoje divulgado.

 

Os cinco diários generalistas de circulação nacional, os dois de economia e dois de desporto – Record e “O Jogo” – venderam em conjunto, em banca e em 2012, menos 14,8 milhões de exemplares do que no ano anterior, uma descida de 11,9%, havendo ainda que contar com a quebra de vendas de “A Bola”, que recusa a auditoria da APCT, mas que se calcula tenha sido superior a 3 milhões de exemplares/ano. As perdas maiores foram do “Jornal de Notícias”, que caiu 13.624 exemplares/dia, 17,8%, quase 5 milhões/ano, cabendo ao líder “Correio da Manhã” o melhor resultado, com menos 1,8 milhões, apenas 4,1%.
Nos quatro títulos semanários, a queda foi igualmente assinalável, 25.094 exemplares por edição, menos 12,4%, de que resultou uma quebra de 1,3 milhões de exemplares. O “Sol” foi o mais penalizado, com uma diminuição de vendas em banca na ordem dos 26,8%.
Record na frente. Quanto aos grupos de média, a líder Cofina foi a que menos perdeu, 7%, “contra” 15% menos da Controlinveste, 12% da Impala e 11% da Impresa. O grupo proprietário do nosso jornal vendeu em banca, no ano findo, 77,6 milhões de exemplares, confirmando ser o maior editor português, com um “share” de 35%, dois pontos acima do que se verificava em 2011. A circulação total paga de Record foi de 55.196 exemplares/dia, com uma quota de mercado de 71%.

Partilhar

Os comentários estão fechados.