Crónicas da Sabado: rendido à evidência – 3

1. Em relação
a Piet-Hein, o meu sentimento é idêntico ao de muitos outros portugueses: pura
inveja. Não quanto à carreira triunfante, à conta bancária por certo gorda ou às
mulheres que amou, nada disso. A minha inveja é diferente, resulta simplesmente
do facto de não ter feito, por falta de lembrança, de gosto pelo risco ou de
oportunidade, o caminho inverso ao seu, ou seja, emigrado  em devido tempo para
a Holanda. Mas apesar do meu amor pelas tulipas, pelos moinhos e pelas vacas
(credo!), a verdade é que nunca compreendi a riqueza de um pequeno país – e
nosso credor – que tem quase
17 milhões de habitantes encafuados num território do tamanho do
Alentejo, grande parte dele abaixo do nível do mar e sem recursos naturais. Como
é que Piet Hein veio cá parar é que ainda hoje me custa a
entender.

2. Vai ser
construído um novo hotel, uma unidade de cinco estrelas, na Herdade da Comporta,
um local maravilhoso que mistura os ares do campo com praias de areia branca e
mar azul. Tal como Portugal surgia como uma terra magnífica até o Criador ter
tomado a decisão, generosa mas errada, de cá meter os portugueses, também a
Comporta padece de contra-senso semelhante: é tudo muito bonito, o diabo é
quando legiões de mosquitos deixam os arrosais à procura de carne, humana e
saborosa. Passei por isso e garanto que as consequências são
terríveis.

3. Afinal, não
são mais impostos, o Governo recusa-se a agravar a carga fiscal – repete aquela
comunicação social que abana o rabo. Mentira. Os reformados, sempre eles, e os
funcionários públicos, outra vez, vão ver abatido, no subsídio que receberão em
novembro, o aumento do IRS resultante de nova atualização das tabelas. Isto para já,
porque a novela do corte estrutural dos 4 mil milhões de euros prossegue. E lá
serão os mesmos chamados a pagar mais essa conta.

4.
A Primavera Árabe tem vindo a afastar
os franceses da compra de casa nos países do Magrebe, sendo agora o Algarve uma
das regiões que mais poderão beneficiar com o fenómeno. Só no concelho de Loulé,
a que pertencem Vilamoura e Quarteira, há cerca de dez mil (!) imóveis para
vender. A dificuldade está nos graves problemas nas áreas da saúde e da
segurança com que o distrito mais a sul do País se debate, e que a crise que
atravessamos só poderá agravar. É velho o ditado: dá Deus nozes a quem não tem
dentes.

5. Mantém-se,
no Benfica, o tabu sobre a continuidade ou a saída de Jorge Jesus no final da
época. O drama, estando ligado à eventual conquista do título, conta com um
ingrediente de luxo: a exigência do treinador em passar a ganhar, em vez de
três, quatro milhões de euros anuais. Não fora isso e já haveria contrato
assinado. Na Luz, possivelmente, e no Dragão com toda a
certeza.

Observador, crónica publicada na edição impressa da Sábado de 24 abril 2013. Tema de Sociedade da semana: uma entrevista de vida com Piet-Hein Bakker

Partilhar

Os comentários estão fechados.