Costinha perdeu uma boa oportunidade de estar calado

Tenho o maior respeito por Costinha, pelo que foi como jogador e como profissional, e pelo que penso seja o seu caráter: um bom caráter.

Além disso, não esqueço as dramáticas dificuldades das suas atuais funções num grupo de trabalho reformulado e num clube ameaçado de implosão – pelos erros que têm vindo a ser cometidos, mas não só. A conjuntura económica do país é complicada e o Sporting debate-se, claramente, com dívidas a mais e receitas a menos. Criar regras e fazê-las cumprir, sempre um trabalho difícil e impopular, torna-se ainda mais duro numa casa onde falta a tranquilidade.

Mesmo assim, acho no mínimo infeliz a referência de Costinha ao que deve ser uma preocupação do Sporting, a de formar jogadores mas também homens, numa alusão a João Moutinho. Se não é “homem” um profissional e capitão de equipa que durante anos e anos tantos apontaram como exemplo a seguir, então é homem quem?

Costinha, ao pôr mais achas na fogueira, perdeu uma boa oportunidade de estar calado. Os adeptos do Sporting registaram a sua frase. E podem, mais cedo que tarde, enviar-lhe a fatura.

Passe curto, publicado na edição impressa de Record de 7 julho 2010

Partilhar

Os comentários estão fechados.