Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Comunicado da Associação de Adeptos Sportinguistas: “Os nervos dos Rapazes da Luz”

Tem sido reveladora a postura acintosa dos dirigentes do SLBenfica, no período pósderby.

Após a inesperada denúncia dos atropelos a regras de segurança e conforto

no sector visitante, por parte de dirigentes do Sporting Clube de Portugal, e

igualmente o repúdio público, por parte do clube, do incêndio naquele sector, o

nervosismo assentou arraiais na Luz.

Os “Rapazes da Luz” rapidamente esqueceram outros episódios onde o seu recémdescoberto

carácter, se encontrava na altura desvanecido. Mas nós recordamos e em

jeito de síntese:

1. Assassínio de um adepto Sportinguista no Estádio e a recusa em adiar o jogo

por tal motivo, tal como proposto pelo então capitão do Sporting Clube de

Portugal;

2. Incêndio nas bancadas do Estádio José Alvalade, ainda que em muito

menores proporções do que o do fim de semana passado;

3. Incêndio nas instalações do Sporting Clube de Portugal e igualmente sede da

Juventude Leonina;

4. Incêndio a autocarro das claques portistas;

5. Bárbara e cobarde agressão a um hóquista do FC Porto por ocasião de um

jogo de hóquei entre as duas equipas;

6. Invasão e agressão a árbitro assistente durante um jogo no Estádio da Luz;

7. Apoio a Claques não legalizadas – no mínimo ao nível de infra-estruturas e

entradas de material de apoio no estádio. Algo que não é permitido por lei. O

“Rapaz da Luz” Dr. Gomes da Silva – admnistrador da SAD – falou ontem

recorrentemente em “claques”, o que significa que as reconhece enquanto tal

8. Constante repúdio às escutas do Apito Dourado excepto naquelas onde têm

participação – o facto de não terem sido condenados não faz daqueles

telefonemas falsos…

Esquecem-se os “Rapazes da Luz” que a luta pela verdade desportiva foi iniciada

pelo Dr. Dias da Cunha, na altura Presidente do Sporting Clube de Portugal.

Esquecem-se que o aproveitamento vermelho pelo espaço deixado, ingenuamente,

pelo Sporting CP não branqueia actos gravados e muito menos lhes dará moral para

levar a cabo tal luta.

A luta pela verdade desportiva, em Portugal, é verde e branca.

E sem túneis, sem fruta ou cafés, sem apagões, sem malas, sem corrupção e sem

tráfico de influências em Portugal, o Sporting Clube de Portugal será, com toda a

certeza, um grande candidato ao título em Portugal.

A luta pela verdade desportiva não é uma luta da Direcção do Sporting. É uma luta

de todos os sportinguistas em nome do desporto rei.

Os “Rapazes da Luz” que retomem o seu descanso que tantos nervos ainda em

Novembro não augura nada de bom para Maio quando tiverem que reconhecer o

novo campeão…

Com os melhores cumprimentos,

Comité Executivo

Associação de Adeptos Sportinguistas