Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Com a saída de Armando Jorge Carneiro o Benfica perde uma marca

AJC1
Em 1988, Armando Jorge e o escriba à conversa

Aos 25 anos, dirigia a revista semanal juvenil Bravo, que vendia cerca de 60 mil exemplares. Assumiu a seguir outros projetos editoriais com menor sucesso, mas sempre com espírito empreendedor e capacidade de liderança. Cruzei-me com ele na Lisboa social dos anos 80 e a conversa acabava invariavelmente nos jornais e nas revistas. Refiro-me a Armando Jorge Carneiro, que depois se dedicou ao futebol infantil e que dentro em pouco abandonará as funções de Director Geral do Centro de Formação do Benfica, vulgo Academia do Seixal, onde o substituirá outra competência com potencial para se afirmar: Nuno Gomes.

Não sei se o motivo da saída será mesmo um convite de Inglaterra, onde vive uma filha, ou se Armando Jorge se terá esgotado num ciclo de cinco anos que podem ter parecido muitos mais, a vida em certos cargos é complicada… A verdade é que, aos 53 anos, deixa no Seixal resultados e um rasto de dinamismo e eficácia – uma marca que não se apagará.

11121405_10206451239172464_1687156013_n
Armando Jorge dirige, desde 2010, o Centro de Formação do SLB, no Seixal

Parece que foi ontem, Sábado, 24SET15