Carta aberta a Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo

De: luis filipe da costa mota [mailto:luisfilipemota@hotmail.fr]
Enviada: sexta-feira, 24 de Junho de 2011 13:02
Para: Record
Assunto: Carta aberta ao Senhor Presidente do Eurogrupo que gostaria muito que publicassem

Carta aberta ao Senhor Presidente do Eurogrupo                                                           

Senhor Jean-Claude Juncker, Presidente do Eurogrupo, pela presente tenho a maior  honra de lhe escrever esta carta aberta, sonhando que você a leia. Sonho de ser escutado, porque ser escutado por uma personalidade da nossa política nacional e internacional, muito distinta, como o senhor, e que eu tenho o maior respeito e admiração, apenas sonhando.  Escrevo-lhe em pleno solstício de verao, sol que nasce para todos, por mais leis que o homem redija. E apesar do conhecimento e correr o risco de que todos os hipócritas faram, para não a publicar esta carta. Ela sera enviada por toda a Nossa Europa.

Primeiro alegando que a existência do Eurogrupo está consagrada no artigo 137 º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, e se não me engano Senhor Presidente do Eurogrupo, o Eurogrupo tem como principal missão  facilitar a consulta dos Estados-Membros participantes na área do Euro, em termos de condições, nas relações entre o Conselho e o BCE, preparar as posições comuns na área do Euro na cena exterior, em coordenação de políticas fiscais. E além destas missões foram ampliados desde o Conselho Europeu de Nice, à consulta sobre o emprego e questões estruturais (medidas de emprego que o nosso querido Grão-Ducado do Luxemborgo de que o Sonhor é o Chefe do Governo, não se pode orgulhar).

Como sabe Senhor Presidente, é claramente uma crise causada e provocada pelas agências de notação (rating) que têm um único objetivo, a depreciação da nossa moeda e a queda do nosso Euro. Nós não podemos sentarmo-nos calmamente e assistir a um ataque forte, claro e muito preciso à nossa moeda o Euro. Sr. Presidente do Eurogrupo é de sua responsabilidade de responder a este ataque, eles têm de ser responsabilizados por todos os crimes que estao cometendo (os suicídios em desespero, as depressoes, o simples fato de do nosso povo nao ter o que comer, etc …) contra a Humanidade. Devemos reagir, o povo europeu està implorando, sao sempre os mesmos a pagar as crises, o povo trabalhador. Faça queixa nos tribunais contra as agências de rating. Se o Senhor não fizer o povo farà por si, e eu sou o primeiro seguido de milhoes.

Para mudar as políticas, não precisamos de mudar os Políticos nem Homens nem Mulheres. Nós só precisamos de ver que as nossas políticas atuais nao nos levam para lugar nenhum, e é preciso apenas mudar essas políticas e contra-atacar quem está a atacar-nos. Eles escolheram quase perfeitamente o alvo das suas vítimas. Primeiro com a Grécia, que ainda não tinha caído, e o caminho da Irlanda já estava traçado, depois Portugal, a Espanha sera a proxima, depois seguida pela Itália e Bélgica ate é queda do nosso Euro e da Uniao Europeia. De  que é que o Senhor esta à espera para registrar uma queixa nos tribunais respectivos, contra essas pessoas sem escrúpulos. Os tribunais não estão muito longe, no Luxemburgo muito querido, o Plateau du St. Spírit e o Plateau du Kirchberg, e Estrasburgo não está longe do nosso Luxemburgo bem amado.

Espero ter sido claro, em nome dos milhões de pessoas que falam a mesma língua que eu, e ter a maior honra de convidar o Senhor para se juntar a mim no Facebook ( Filipe Da Costa Mota MOTINHA). Ech Vun se der Lëtzebuerger Facebook generatioun, ech sinn dofir.

Esperando por uma resposta favorável, aceite por favor, Senhor Presidente do Eurogrupo, a expressao da minha mais elevada consideração e os meus melhores cumprimentos.      

 Luis Filipe  DA COSTA MOTA

 

PARA INFORMAçAO

Luis Filipe da Costa Mota

nasci em Tondela no dia 10/07/1979

B.I. n° 11580522 emitido no dia 10/05/2007 no LUXEMBURGO- MNE

Atualmente tenho residencia na:

3, rue de l’eglise

L-4994 Schouweiller , LUXEMBOURG

Partilhar

Os comentários estão fechados.