Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Canto direto: e o Mundo continua a girar

Em mais de 40 anos passados nas redações de jornais, revistas e rádios, vi fechar muitos títulos. Alguns rejeitados por um mercado de dimensões reduzidas, que não chega para suportar publicações especializadas e dirigidas a um nicho, um segmento de compradores. Em Portugal, quem vende 10 mil exemplares tem de desistir, quando em Espanha, num mercado quase cinco vezes maior, chegaria aos 40 ou 50 mil e poderia continuar.

Mas na maioria dos casos o problema não é do visionário que lança um jornal ou uma revista, antes reside na falta de capacidade de quem escolhe as equipas, faz as contas, gere o negócio e, como tal, garante que no final do mês haverá dinheiro para pagar os salários. 

Sei como funciona porque já paguei bem com o corpo o que a cabeça pensou mal. E hoje não tenho dúvidas: quando um título entra no vermelho, não numa situação pontual, mas como consequência de uma tendência, quase sempre irreversível, o melhor é fechá-lo antes que não exista sequer dinheiro para liquidar as indemnizações aos trabalhadores. Como as pessoas, as publicações nascem e morrem, é a vida.

A chegada dos sites abertos e mais tarde das multiplataformas, igualmente gratuitas, corroeram o interesse pelo papel e passaram depressa de ameaça a carrasco: os jornais não voltarão a ser os mesmos, a cabeça das pessoas mudou e o pior de tudo é que o Mundo continua a girar. Assistir a essa mudança de paradigma de braços cruzados significaria aceitar o destino e a fatalidade. Não o faremos.

Por isso, Record começou esta quinta-feira a aumentar a sua oferta online, melhorando a informação e apostando na especialização dos conteúdos, a troco de uma pequena retribuição. O novo Record Premium nasce, assim, não para criar mais um custo aos leitores, mas para privilegiar os que acreditam no valor que acrescentámos ao nosso trabalho. É neles que pensamos, é com eles que contamos.

Canto direto, publicado na edição impressa de Record de 3 novembro 2012