Avaliação Record do debate dos candidatos à presidência do Sporting

Godinho Lopes – Nota 2

Um estranho convite

Casaco cinzento escuro e gravata cinzenta clara, a condizer com o cabelo, deram o tom a um discurso sem cor. Cedo se viu rotulado de  “candidato da continuidade”, sem se conseguir libertar das acusações somadas de Bruno Carvalho e Dias Ferreira, este a referir-se a um surpreendente “convite”…

Pedro Baltazar – Nota 3

Fora da sua praia

Protagonista de outro filme, na linha “blasé” de Soares Franco ou de JE Bettencourt, que tentou “proletarizar” ao surgir sem gravata, identificou bem o adversário principal, mas exagerou na troca de insinuações. Fora da sua praia, perdeu claramente e só recuperou na mensagem final, clara e coerente.

Bruno Carvalho – Nota 3

Interrupções sistemáticas

Disseram-lhe das vantagens das interrupções sistemáticas e utilizou-as sem contemplações, aproveitando a inexperiência do moderador. Foi o único a conseguir explicar algo do que pretende fazer e os sócios leoninos, focados nos líderes que sonham derrotar, talvez tenham pensado: eis o homem.

Dias Ferreira – nota 2

Candidato sem papéis

Serviu-se da experiência televisiva e do tom de voz que sobressai para se fazer ouvir. Poupou Bruno Carvalho e afrontou Godinho Lopes, que acusou de ter afastado o clube dos sócios, só se percebendo depois que tinha um “convite”, aparentemente retirado, “atravessado”. À frente, nada de papéis, ele basta.

Abrantes Mendes – nota 1

Maneiras e feitios

Quando os outros candidatos se envolviam em conversas cruzadas, ele parecia pairar algures, não ser dali. Limitou-se a sublinhar excelentes intenções, condenado que está a ser o eterno “outsider” das lamúrias leoninas. E nem fugiu ao desabafo: “A gente somos comidos de todas as maneiras e feitios!”

AP

Partilhar

Os comentários estão fechados.