Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

As fotos que irritaram a tropa

Tropa1
A imprensa da época deu conta do caso Élan como se a dignidade da Nação estivesse em risco…

Em Agosto de 1988, a capa de uma revista chocou as sensibilidades castrenses da Nação: um modelo feminino sem roupa surgia, desfardado e com material de guerra verdadeiro, à porta de unidades militares de Sintra, Beirolas e Lisboa. Expresso, Tal&Qual e O Diabo, entre outros, deram conta da indignação de altas esferas da tropa e a Élan, a publicação em causa, recebeu telefonemas anónimos ameaçadores, que prometiam até o recurso à bomba (!).

O fotógrafo Rui Castro e o modelo Cristina Freire, de 21 anos, munidos de equipamento autêntico – farda, capacete, bazuca e pente de balas de metralhadora – fornecido por um amigo, instrutor militar que o requisitara no Depósito Militar de Beirolas, procuraram quartéis sem sentinelas à porta de armas, fizeram as fotografias e foram vendê-las à Élan, cujo director, este modesto escriba, as adquiriu sem hesitar.

Brasuca7

Capa

O desejo de sangue dos ofendidos não foi longe. O instrutor foi absolvido em Tribunal Militar, provado que ficou o seu direito a requerer o material e o facto de o armamento se encontrar desactivado. O Rui limitou-se a explicar como fizera as fotos e eu nem sequer fui chamado.

Em Dezembro de 1989, o semanário O Diabo noticiava a absolvição e alimentava a esperança: “Em tribunal civil vão agora ser julgados o fotógrafo e o director da Élan”. Há dias, ao ver numa revista a produção militarizada com a sensual Daniela Vieira – mais vestidinha e com armas de brincar – lembrei-me que aguardo ainda, em pânico, a ida a juízo.

Parece que foi ontem, Sábado, 23ABR15

Tropa3a

Tropa4