Artur Agostinho voltou a casa há 10 anos

7220.Digitaliza_E700E300_o

Reportagem de Neves de Sousa e Lobo Pimentel para a revista “Flama”, em 1963

Foi um evento que se tornou referência na minha vida e que aconteceu há precisamente uma década, quando eu e o António Magalhães, actual director do Record, convidámos para almoçar – no Gambrinus, em Lisboa – uma lenda da comunicação: Artur Agostinho.

Ele participava numa série de TV, escrevera um livro e dava palestras nas escolas. Voltara aos seus grandes momentos mas faltava-lhe uma reparação insubstituível, a do regresso ao Record, que dirigiu de 1963 até 1974, até ter sido expulso pela mentira e pela inveja.

O Artur passou então a assinar a coluna Fintas e Dribles, recebeu o Record de Ouro, descerrou uma placa com o seu nome na redacção e passou a visita regular. E em Dezembro de 2005, ao entregar a Pedro Pauleta o primeiro Prémio Artur Agostinho, o maior comunicador português de sempre prestou mais um inestimável serviço ao jornal, fazendo-o reencontrar-se com a sua história.

Artur Agostinho deixar-nos-ia em 2011. Ainda fui a tempo, abençoada hora.

Parece que foi ontem, Sábado, 1OUT15

Em 2005, o escriba convidou Artur Agostinho a descerrar uma placa com o seu nome numa parede da redacção de Record e atribuiu-lhe o Record de Ouro

capa record-11581 [8416704]

 

Partilhar

Os comentários estão fechados.