Antena paranóica: uma escolha do diabo

A entrevista do
primeiro-ministro à TVI confirmou o que se sabe: temos, em determinação ou
teimosia, um perfeito sucessor de Sócrates.

Podem alguns comentadores
achar que Passos Coelho não é um bom comunicador ou até que se dá mal com a
gramática, ao utilizar certas expressões menos pensadas ou infelizes, mas a
verdade é que a imagem que passou foi a de um homem que sabe para onde vai –
seja para a salvação ou para o abismo.

A escolha de S. Bento retirou
aos entrevistadores a vantagem do factor casa e a decisão de os enfrentar – num
confronto em que Judite de Sousa resistiu melhor que José Alberto de Carvalho –
com interpelações à “senhora doutora”, e trejeitos de impaciência, favoreceu o
PM, que marcou pontos junto do seu eleitorado, hoje perigosamente escorregadio.

Admito que Passos Coelho não
tenha razão nos argumentos e não consiga transmitir uma simples ideia para o
futuro do País. O problema é que conhecemos bem os idiotas que nos deixaram no
lindo estado em que nos encontramos. Entre um e os outros, só pedindo ao diabo
que escolha.

Antena paranóica, publicada na edição em papel do Correio da Manhã de 1 dezembro 2012

Partilhar

Os comentários estão fechados.