Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Antena paranóica: retribuição perversa no “Peso Pesado”

Expectativa justificada: “Peso Pesado” é um sucesso de audiências e coloca a SIC no topo do “ranking”, com as novelas da TVI. Mas a versão nacional fica distante do “The Biggest Loser”, desde o montante do prémio final à envergadura dos protagonistas, que no “Peso Pesado” são bem mais modestos na balança do que os norte-americanos. E duvido ainda que Júlia Pinheiro, uma mulher para toda a obra, não pudesse arranjar melhor substituta para si própria naquela função.

É pena que o êxito do programa assente no “voyeurismo”, no drama de pessoas em risco que expõem fragilidades, e não na prova de que vale a pena tornarmo-nos mais elegantes e saudáveis, recuperando a auto-estima. Se ganhar disciplina, treinar a força de vontade, aprender a substituir os impulsos pela inteligência e mudar comportamentos são o caminho para uma vida feliz, “Peso Pesado” dá essa formação, apesar de ter o calcanhar de Aquiles dos concorrentes eliminados, que não encontrarão, no regresso a casa, condições para prosseguir a luta contra o excesso de quilos. Deram espectáculo com uma retribuição perversa: já viram como se faz, agora governem-se. Mas esse não é um problema da televisão, é do país, que não dá para mais.

Antena paranóica, publicado na edção impressa do Correio da Manhã de 8 maio 2011