Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Antena paranóica: o best-seller de Chelas

Creio que não li
e espero nunca ser tentado a ler um livro escrito por um “famoso” televisivo,
seja verdadeiro ou um daqueles figurões reconhecidos na rua por coisa nenhuma.
Não é preconceito mas mania: um autor ou vale por si ou não presta.

Não vou por isso
pronunciar-me sobre as obras de José Rodrigues dos Santos e posiciono-me entre os
elogios de alguns amigos, o sucesso das vendas e umas críticas horríveis,
saídas, vá lá saber-se, se da exigência, se da inveja.

O que me impressiona
é a persistência do pivô da RTP, que podia trancar-se num apartamento em Paris
ou num condomínio da Lapa, a gozar dos rendimentos, e se sujeita a continuar no
Telejornal, a debitar banalidades relacionadas com fogos, falências e outros
desastres.

Confesso que
alimento a expectativa de ver se o futuro concessionário do canal do Estado, a
existir, se disporá a manter na montra o homem que arruma o carro em Chelas com
os olhos postos na promoção do próximo best-seller. Até porque os novos patrões
ver-se-ão confrontados com uma dificuldade: a de arranjar melhor.

Antena paranóica, crónica publicada na edição impressa do CM de 8 setembro 2012