Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Antena paranóica: a absurda história de Zita Seabra

Zita Seabra foi militante do
PCP, controleira e deputada, distinguindo-se em S. Bento pela agressividade. Um
dia, desiludida, largou o símbolo da foice e do martelo, que a levou a ser perseguida,
e continuou a sua vida, acabando por aderir ao PSD. Teve funções autárquicas e
regressou à AR, ou seja, passou da esquerda-esquerda para o centro-direita, não
só ao nível da opinião, como seria natural, mas também do desempenho de cargos de confiança política, como se o
seu passado tivesse deixado de lhe pertencer.

Está no seu direito? Está. A
verdade é que essa postura não lhe permitiu ir longe no PSD, pois o seu “arrependimento”
choca. É que Zita jamais poupou o anterior partido, divulgando factos, reais ou
supostos, e desrespeitando com isso os antigos companheiros de percurso.

Esta semana, lá voltou ela,
na SIC Notícias, perante um Mário Crespo sempre hábil na inquirição, a uns lamentáveis
“ouvi dizer” que apontavam para microfones-espiões escondidos nos ares condicionados vendidos pela antiga FNAC. Uma história absurda e mais uma tristíssima figura.

Que Deus lhe acuda porque
Marx já não pode.

Antena paranóica, crónica publicada na edição impressa do Correio da Manhã de 11 agosto 2012