Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

Ancelotti foi-se abaixo

Há cinco anos, desde o tempo de Manuel Pellegrini, curiosamente, que o Real Madrid não baqueava em dois jogos consecutivos. Carlo Ancelotti faz, nesse particular, bem pior do que José Mourinho e destrói, em especial, o trabalho realizado pelo treinador português – e que na verdade acabou com a era de Guardiola no Barça – ao permitir que os merengues voltassem a perder o combate psicológico que já tinham ganho ao Barcelona: o de não entrarem em campo assustados com o papão, ou seja, o de atuarem ao mesmo nível mental que os adversários, ainda que o resultado no final não viesse a ser a vitória.

Das quatro partidas para a liga com os dois grandes rivais, o Real empatou uma e perdeu três, sendo que duas das derrotas aconteceram no Santiago Bernabéu. Pode ser-se campeão a falhar nos desafios decisivos? Pode, mas é muito mais difícil.

O último clássico com o Barcelona pôs a nu as velhas fragilidades dos madridistas, bem conhecidas mas que a série de jogos sem perder ia disfarçando, sem que Ancelotti fosse capaz de as anular. Elas vão desde a continuação dos impulsos “suicidas” do intocável Sérgio Ramos – que tantos dissabores têm provocado à equipa – à do choque de egos dos grandes protagonistas, evidente na troca de botas de Bale ou na sua teimosia na marcação do derradeiro livre, com Cristiano a dizer para Marcelo: “Ele quis marcar, o que queres que faça?”

Ancelotti é um monstro do futebol e sabe mais da arte que nós, opinadores, a jogar em “catenaccio”. Mas o seu provável falhanço na liga cai como um raio sobre os detratores de Mourinho, que já embandeiravam em arco com o estrondo do triunfo antes do apito final. São eles, os que prosseguem na feroz defesa dos “vícios” do Real, quem devia confrontar o técnico com os problemas que saltam à vista: não haverá, até no Castilla, um lateral superior a Carvajal? Marcelo, que ataca melhor do que defende, não podia ter ficado no banco? Benzema foi substituído e Bale ficou em campo porquê? Tendo Diego López deixado de fazer as defesas “impossíveis”, não estaria na altura do regresso de Casillas? A ganhar por 3-2, por que recuou a equipa? E se recuou porque não entrou logo Illarramendi para se “colar” a Messi? E por que jogaram o argentino e Iniesta sem marcação, como se fossem dois Manolos? Ai, Carletto, estás a ir-te abaixo é o que é.

Canto direto, Record, 29MAR14