A tarde em que o Jordão não apareceu ao Bonzinho

O semanário Off-Side publicou-se entre 1982 e 1984, no tempo em que jornalistas e agentes desportivos mantinham uma relação saudável e amiga. Um dos jogadores que mais colaboravam com o jornal chamava-se, e chama-se, Rui Jordão.

Era tal a confiança que o João Bonzinho, o mais próximo do craque sportinguista, acertou com ele uma entrevista para a tarde do feriado de 1 de novembro de 1984, véspera de saída do jornal. Ao princípio da noite, a edição estava quase fechada, faltavam as páginas centrais e a primeira, dependentes da conversa de Alvalade. Só que o tempo passava e a hora para a entrega dos últimos textos e maquetas aproximava-se…

O Bonzinho aguardou até ao limite e apareceu no Dafundo, destroçado e sem a entrevista, já que um impedimento inesperado de Jordão nos deixou… apeados. Por sorte, havia ainda na redação mais duas cabecinhas pensadoras, o António Magalhães e o Mário Fernando, pelo que logo criámos uma nova rubrica, o Sabes quanto vales?, em que cada um de nós atribuía, a um jogador de topo, notas que iam da avaliação do sentido posicional ao jogo de cabeça, passando por muitos outros, como a precisão do passe ou a colocação no remate. Jordão não escapou, foi o primeiro a ser analisado e, claro, foi aprovado com distinção. E lá nos safámos. Como tudo era diferente no futebol e em Portugal!

Em novembro de 1984, no segundo aniversário do jornal, Miranda Calha, secretário de Estado do Desporto, entregou o Prémio Off-Side a Jordão

Parece que foi ontem, Sábado, 15FEV18

Terminada a carrreira, Jordão dedicou-se à pintura e nunca mais quis falar de futebol

 

Partilhar

Os comentários estão fechados.