Colunista do "Record" e do "Correio da Manhã", anarco-individualista e adepto do Belenenses e do Real Madrid, Alexandre Pais foi diretor do "24horas", de 2001 a 2003, e do "Record", de 2003 a 2013, tendo iniciado o seu percurso jornalístico no "Mundo Desportivo", em 1964.

A falta de moral é o pão de cada dia

 

No final do jogo de Alvalade, José Peseiro resistiu a fazer o que seria mais fácil: acusar  árbitro de ter prejudicado o Sp. Braga.Começa a não ser caso virgem e melhor seria que se tornasse num hábito no futebol português.

O erro humano – dos jogadores, dos técnicos e também dos árbitros – faz, e sempre fez, parte do jogo. Hoje são uns os prejudicados ou os que se podem queixar da sorte, amanhã haverá novas vítimas.

O problema é que os erros de arbitragem “lavam” as asneiras cometidas por outros intervenientes e o recurso a essa habilidade  é quase irresistível.

Pior ainda é a falta de honestidade intelectual – bem salientada igualmente por José Peseiro – daqueles que passam a vida a lamuriar-se quando são “roubados” e que se calam muito caladinhos sempre que beneficiam dos erros que tanto criticam.

Essa atitude é doentia mas não é estranha. Nos tempos que vivemos, a falta de moral é o pão de cada dia.

Passe curto, crónica publicada na edição impressa de Record de 13 novembro 2012

 

No final do jogo de Alvalade, José Peseiro resistiu a fazer o que seria mais fácil: acusar  árbitro de ter prejudicado o Sp. Braga.
Começa a não ser caso virgem e melhor seria que se tornasse num hábito no futebol português. O erro humano – dos jogadores, dos técnicos e também dos árbitros – faz, e sempre fez, parte do jogo. Hoje são uns os prejudicados ou os que se podem queixar da sorte, amanhã haverá novas vítimas. O problema é que os erros de arbitragem “lavam” as asneiras cometidas por outros intervenientes e o recurso a essa habilidade  é quase irresistível.
Pior ainda é a falta de honestidade intelectual – bem salientada igualmente por José Peseiro – daqueles que passam a vida a lamuriar-se quando são “roubados” e que se calam muito caladinhos sempre que beneficiam dos erros que tanto criticam.
Essa atitude é doentia mas não é estranha. Nos tempos que vivemos, a falta de moral é o pão de cada dia