A depressão nacional viajará com a Seleção?

 

O orgulho pela Bandeira
e a vibração com o Hino
parecem hoje
demasiado distantes

Sou dos céticos que não aposta 1 euro numa grande campanha da Seleção no próximo Mundial. E como precisávamos! Nós, a comunicação social, o futebol português e, desta feita, muito particularmente este pobre país amargurado.

Calma, não comece já o leitor a pensar que estou contra Carlos Queiroz ou contra os seus 24 escolhidos. Nada disso. Defendi o selecionador desde o início, não vejo sequer que pudesse nesta fase ser outro, e os seus convocados serão seguramente melhores do que aqueles que eu ou o leitor escolheríamos, pelo simples facto de que ele é que percebe da poda ou, como diria o meu avô, “ele é que é barbeiro”.

A minha reduzida expetativa está assente noutros alicerces. Desde logo, na condição física da maioria dos nossos jogadores, que me parece deplorável, embora as outras equipas possam padecer de idêntico mal. Depois, porque vejo ali rapaziada muito jetsetizada, muito rica, com alguma coisa ainda a ganhar mas já com pouco ou mesmo nada a perder.

No que eu verdadeiramente não acredito é na capacidade da comitiva que vai partir para a África do Sul para se libertar desta “depressão nacional” que nos tomou como se fôssemos simples cascas de noz num mar encarpelado e ameaçador.

O orgulho pela Bandeira e a vibração com o Hino – que eram antes o factor psicológico em que se apostava para tornar mais leves as pernas e mais rija a determinação dos jogadores – parecem hoje demasiado distantes. Porque Queiroz tem outro estilo, é verdade, mas também porque nos surgem como insignificâncias perante a vergonha para que a crise e alguns idiotas nos arrastaram sem apelo.

Conseguirão os nossos futebolistas libertar-se da maldição de onde pertencem e do rótulo de miseráveis que nos colaram na testa?

Canto direto. publicado na edição impressa de Record de 22 maio 2010

COMENTÁRIOS
 Terça-Feira, 25 Maio
• 17:59 – mppereira
talvez porque o luiz amase o nosso pais,pelo menos enquanto ca esteve.quero reviver um passado proximo,aquele que ha 10anos pos o mundo a olhar para nos,e nao estivessemos nos a jogar contra uma potencia economica,teriamos chegado as1/2finais do euro.volta humberto coelho

 

 Domingo, 23 Maio• 2:10 – Paulo Lisboa
Também não acredito nesta selecção,se passarmos a fase de grupos«é um pau»,porque acho que o Queiroz fez muitas escolhas erradas,não escolheu de facto os melhores e está a dar um cunho defensivo à equipa,ele aliás nunca foi um treinador de ataque.Depois esta selecção não tem um grande guarda-redes,a defesa e o meio-campo já acusam muita veterania para uma prova destas e o ataque nunca foi a nossa parte mais forte.Por isso não prevejo uma grande campanha,mas apoiarei incondicionalmente Portugal.

 Sábado, 22 Maio• 18:13 – david nande
concordo, a ambiçao da selecçao “é passar a fase de grupos e depois sonhar”, acho esse comportamento ridiculo, se nao “querem” ser campeoes do mundo, particulares com o Liechtenstein sobram

• 15:53 – pontedelima
Vai ser lindo quando a realidade acontecer…

• 15:23 – Eduardo R.
O Brasil vai ser um flop (muitos jogadores em baixa forma), a Argentina vai ser um flop (falta de treinador), Espanha debate-se com muitos problemas físicos… Eu acredito em Portugal! Não me preocupam muito todas as manifestações de pessimismo porque sei que no fim, se se confirmar uma boa campanha, toda a gente vai dizer que também acreditava… Sempre fomos assim! Já que todos vamos apoiar a nossa selecção (concorde-se ou não com as escolhas), porque não apoiar com espírito positivo? Vá lá!

• 14:40 – miguel r.silva
alguém leu ‘benfica’ nesta crónica?eu não.

• 11:53 – Tiago
nem o benfica campeão conseguiu pôr os 6 milhões em extÂse? ou será que o país está assim porque eles não são 6 milhões!? SPORTING SEMPRE

 

Partilhar

Os comentários estão fechados.