Parques de merendas, preparai-vos!

Ao levantar a hipótese de reinício do ano letivo a 4 de maio, António Costa abriu a janela da utopia aos que, a cada dia, adiantam novas datas para o recomeço dos campeonatos. Ou para o seu fim, como fez Aleksander Čeferin, líder da UEFA, ao indicar o fecho da época para 3 de agosto. Mas o primeiro-ministro carrega o peso de uma tragédia que acabará com a sua carreira política se dela não sair como o estadista que aguentou o pior momento do país desde a guerra colonial. E... Leia o resto →