Um ministro com visão de aldeia

Novembro e as três primeiras semanas deste mês confirmaram o que se sabia: não falta água em Portugal. Dramático é que faltem outras coisas, como prevenção de cheias, pequenas barragens concelhias e, em especial, uma visão estratégia de médio e longo prazo para o problema da água. O ministro da desgraça tem um único discurso: poupar no consumo até que os canos sequem. As imagens dos últimos dias são claras quanto à incapacidade para encontrar uma solução, que cubra até à inexistência de manutenção dos diques. Dos diques e do... Leia o resto →