Votaram mais: não vale fazer batota

Na noite eleitoral e tomando as dores coletivas, repórteres e comentadores encheram os espaços televisivos sublinhando a elevada abstenção e o seu aumento em relação às “europeias” de 2014.

E finou-se o serão sem que se explicasse a lógica da coisa: o “recenseamento” de cerca de 1,2 milhões de emigrantes – a juntar aos 245 mil de há cinco anos – que ligam tanto a eleições como às probabilidades da existência de água em Marte. E a consequência, claro, foi chocante: de 1 milhão e 441 mil inscritos votaram menos de 14 mil (!), o equivalente a 0,96% por cento!

Foi essa assustadora taxa de abstenção, superior a 99%, que somada à verificada em Portugal redundou numa média global de 69,27%, bem acima dos 66,16% de 2014, pese ter havido agora mais 31 mil votantes – e não menos, como levianamente se proclamou.

Pior: retirando da análise os resultados do estrangeiro, regista-se que votaram no domingo, em Portugal, 3,3 milhões de eleitores, o correspondente a uma abstenção de 64,68%, quando há cinco anos essa percentagem foi de 65,34 – maior, portanto.

Que o número de portugueses que se absteve é trágico, é. Que os motivos que os levaram a isso são perturbadores, são. Mas martelar a verdade é que não vale.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 1jun19

Partilhar

Os comentários estão fechados.