E tudo o Benfica desperdiçou

Foram precisas décadas para que os iluminados que mandam no futebol europeu entendessem o prejuízo que é, para os adeptos e para o negócio, a transmissão de grandes jogos no mesmo horário, situação que será revista na próxima época. É pena que outra inteligência não resolva o “drama” do telespectador português, que teve ontem, mal Artur Soares Dias fechou a loja na Luz, de começar a ver o Real Madrid, passar 15 minutos após pelo PSG-Mónaco, e deixar os dois para seguir o dérbi lisboeta. E jantar? Isso só lá... Leia o resto →

Montero é o culpado disto tudo!

Como Moita Flores, tinha feito uma promessa: “Desisti de ser crítico seja do que for feito por este homem”. Mas a questão com que me debati foi a de saber o que é de facto relevante para o cronista, se o líder de um clube, se o próprio emblema e os leitores que por ele vibram e sofrem. E a resposta só podia ser uma: importante é o Sporting e os seus adeptos, em especial aqueles que há 16 anos acorrem a Alvalade na esperança, sempre renovada, de verem a... Leia o resto →

E tudo terminará com o habitual “para o ano é que é?”

E agora, Sporting? Poderá uma eventual presença na final da Liga Europa ou uma vitória na Taça de Portugal – como aconteceu há três anos, com Marco Silva, lembram-se? – fazer esquecer o terceiro falhanço consecutivo da era Jesus na conquista do título? E se os leões, com um calendário mais difícil que o Sp. Braga, perderem ainda o terceiro lugar? Tudo se resumirá de novo ao clássico “para o ano é que é”? O que mais me surpreende é o modesto rendimento da equipa, que não será a ausência... Leia o resto →

A injusta Senhora dos Aflitos dos Últimos Minutos

Jogou tão pouco o Sporting nos anteriores desafios para o campeonato, que só a devoção, correspondida, pela Senhora dos Aflitos dos Últimos Minutos, com acompanhamento à Capela, evitou a perda de preciosos pontos. Mas ontem as preces já não foram ouvidas, numa partida em que os leões acabaram por cima e mereciam, enfim, que a sorte não os abandonasse. O sábio. Não se tratou só de sorte, mas também de duas intervenções enormes de Casillas, uma no início, aos pés de Doumbia, outra ao cair do pano, a apagar a... Leia o resto →

Desapareceu o pioneiro da glória olímpica

O nome de Manuel de Oliveira, desaparecido há dias, na véspera de completar 77 anos, já dizia pouco aos mais jovens e aos mais desmemoriados. Mas ele foi um atleta de eleição, não o primeiro fundista ou meio-fundista a alcançar êxitos internacionais – como vi escrito algures – mas o primeiro a andar perto da glória olímpica, ao chegar em 4.º lugar na final dos 3.000 metros com obstáculos, nos Jogos de Tóquio, no outono de 1964. Por essa altura, o futebol português andava nas nuvens, vivia-se ainda a euforia... Leia o resto →

De Luisão ao VAR, passando por Cristiano Ronaldo e Martina Hingis

Tenho amigos benfiquistas que andam preocupados pelo facto de o clube da Luz ter contratado um quarto guarda-redes, de apenas 18 anos, sabendo-se da superveterania de Paulo Lopes e das limitações físicas recorrentes de Júlio César. E se a inexperiência de Bruno Varela ao mais alto nível o fizer abanar, como se resolverá o problema? Bem, não acredito que Rui Vitória e a estrutura encarnada não tenham equacionado todos os cenários e, se fosse benfiquista, talvez me preocupasse mais com o centro da defesa, já que Jardel se lesiona com... Leia o resto →

Insígnias da FIFA e da ordinarice

Quando me iniciei no jornalismo, havia três caraterísticas dominantes nas redações: fumava-se muito, abusava-se dos cafés e falava-se mal – eram palavrões para a frente e para trás. Essa linguagem desbragada utilizava-se coloquialmente ou quando os pares se zangavam. Com uma ou outra exceção, os mais velhos não recorriam ao palavrão se tinham de meter a maralha na ordem. Por um motivo simples que se respeitava nesses idos de 60 e 70: não humilhar os mais novos e os mais fracos. Recordo particularmente o sr. Silva, na redação do “Diário... Leia o resto →

Da defesa do Benfica ao banco do Sporting

O Benfica conquistou merecidamente a Supertaça, depois de 30 minutos iniciais arrasadores e de um fecho brilhante da partida. Pelo meio, algumas aflições na defesa, com Jardel uns furos abaixo do que rendia e Bruno Varela a dar – nomeadamente no lance do golo vimaranense – sinais da sua inexperiência. Espero que este precoce lançamento às feras não estrague uma carreira tão prometedora. Como aqui antevi há pouco tempo, e não era difícil de adivinhar, Júlio César já ficou na enfermaria – pelo que não é solução fiável para a... Leia o resto →

Acuña foi caro ou barato?

Há um ano, um comentador e um “narrador” de um canal de desporto peroravam sobre o “péssimo negócio” que, diziam eles, o Real Madrid teria feito com Morata. O avançado jogava pouco – menos de 40 partidas em quatro épocas – e tinha sido vendido em 2014, à Juventus, por 20 milhões de euros, e readquirido em 2016, através de uma cláusula contratual imposta por quem sabe da coisa, por 30 milhões. Logo, concluíam os surrealistas de serviço, o Real teria perdido 10 milhões, uma nabice. Na verdade, tendo no... Leia o resto →

Sporting venceu o dérbi dos barbudos

Orgulho-me de ter feito parte da frente de jovens portugueses que antes de 25 de abril de 1974 deixaram crescer barbas e cabelos como forma de protesto contra a ditadura. A referência era Ernesto Che Guevara, Fidel Castro e o seu grupo de guerrilheiros cubanos, que ao descerem da Sierra Maestra até Havana, para derrubar Fulgêncio Batista, em 1959, fizeram com que os inimigos procurassem diminuir-lhes a proeza, classificando-a como a “revolução dos barbudos”. O poster do Che. A imagem clássica de Guevara – que morrera nas selvas da Bolívia,... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top