O vazio que levou Sousa Cintra à presidência

Com o Sporting em ebulição eleitoral e Sousa Cintra a recolher elogios pelo seu trabalho à frente da SAD, recupero hoje parte da entrevista do empresário ao jornalista Neves de Sousa (revista “Élan”, março de 1990). Cintra explica, ao pormenor, os avanços e recuos que o levaram à presidência do Sporting, em julho de 1989. Ei-lo em discurso direto e igual a si próprio. Ontem sim, hoje não. Há uns anos, um colega vosso que foi dirigente do Sporting, o Jaime Lopes, veio ter comigo para ver se eu queria... Leia o resto →

Sérgio Conceição, o recuperador de ativos

Naquele tipo de comentário esquizofrénico tão comum em Portugal, ecoam por montes e vales as odes de glória a Sérgio Conceição – agora que não resta outra coisa. Mas quero cair nesse pecado e insistir em fazer chover no molhado para sublinhar o que noto ser menos valorizado nas capacidades do treinador do FC Porto: a notável recuperação de jogadores a que com tanto sucesso se dedicou. Voltei a recordar esse “pormenor”, no sábado, na “manif” dos Aliados, perante duas imagens emblemáticas, ambas com o mesmo intérprete, o internacional mexicano... Leia o resto →

Sérgio Conceição fez forte a “fraca gente”

Alguns treinadores, de que Lopetegui foi o último exemplo entre nós, têm por hábito exigir aos clubes não só a inevitável contratação de um séquito de adjuntos de confiança, como a de jogadores sobre os quais colocam o selo de garantia. Depois, um dia, partem com os amigos e não levam os entronchos. Compreendo o princípio: não se consegue liderar um projeto se houver demasiados inimigos atrás da porta e se não se puder constituir uma equipa que os identifique, controle e comece a correr com eles. E quando me... Leia o resto →

 
Back to top