Crónicas da Sábado: com M de Mulher

Helena Sacadura Cabral é uma das figuras mediáticas mais interessantes do País. Nas entrevistas que dá e nos livros que escreve revela-se uma pessoa de mente aberta e linguagem clara e motivadora, com um sentido positivo das situações e uma capacidade de análise dos comportamentos e das circunstâncias de facto invulgar – em televisão, então, o seu poder de comunicação é simplesmente arrebatador. Por isso, muito mais do que a mãe de Miguel e de Paulo, Helena é uma mulher com M grande, uma personalidade cativante. Com seis obras publicadas... Leia o resto →

Crónicas da Sabado: rendido à evidência – 3

1. Em relação a Piet-Hein, o meu sentimento é idêntico ao de muitos outros portugueses: pura inveja. Não quanto à carreira triunfante, à conta bancária por certo gorda ou às mulheres que amou, nada disso. A minha inveja é diferente, resulta simplesmente do facto de não ter feito, por falta de lembrança, de gosto pelo risco ou de oportunidade, o caminho inverso ao seu, ou seja, emigrado  em devido tempo para a Holanda. Mas apesar do meu amor pelas tulipas, pelos moinhos e pelas vacas (credo!), a verdade é que... Leia o resto →

Fernanda Serrano: quebra de privacidade

O mercado editorial português atravessa a crise do País: menos dinheiro para comida, menos capacidade para investir nas estantes. Sim, a expressão não é ingénua, ter edições na sala ou no escritório não é sinónimo de predisposição para a leitura ou de vontade para apostar no conhecimento. E é isso mesmo o que, faltando antes, leva hoje as pessoas a não adquirirem livros – havendo outras prioridades, as prateleiras podem esperar. Com a exceção de Lobo Antunes e de mais dois ou três nomes de referência, quem queira vender papel... Leia o resto →

Sou um rapaz sempre grato aos seus benfeitores…

From: Luis Jordão [mailto:luisjordao@—.pt] Sent: segunda-feira, 8 de Abril de 2013 17:37To: Subject: Revista sábado Olá Compro há anos a revista Sábado. Todas as quintas -feiras faço o mesmo ritual. Descartes dizia: “penso logo existo”, eu compro é porque gosto. Deixemos a filosofia. Gosto particularmente das entrevistas. Interessantes sem dúvida! Gosto das crónicas do Pacheco Pereira (embora politicamene não esteja alinhado com ele); gosto do escriba Alberto Gonçalves (com respeito dr.); gosto muito das crónicas do Alexandre Pais. Sem desprimor para o trabalho de todos os restantes colaboradores que é excelente.... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: Tozé Inseguro

Chega a ser uma ternura, ler e ouvir o que a maioria dos analistas, candidatos e afins pensa de António José Seguro, não hesitando alguns, até, em traçar-lhe o destino: nunca será primeiro-ministro. Estou de acordo. Já concordei, aliás, quando se dizia o mesmo de António Guterres – jamais passaria de picareta falante –, de Durão Barroso ou de Passos Coelho. Sem esquecer Santana Lopes, que não houve tempo de queimar antes de chegar a São Bento, mas que foi depois contemplado com a mais cruel tentativa de assassínio político... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: uma realidade que dói

Em criança, não tinha especial interesse por animais. Um dos meus tios domesticara um pintassilgo, que lhe saltava de um ombro para o outro e recolhia sozinho à gaiola, e isso mexia comigo. Afinal, alguém me havia explicado, creio que por causa dos leões e dos elefantes dos circos, que só se conseguia ensinar os pobrezinhos se se tivesse a chave da despensa. Ou seja, passam fome até fazerem o que se lhes manda e deixarem pôr o pé no pescoço. Não gostava disso, e ainda hoje não gosto, talvez... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: Capri c’est fini.. há 25 anos

O que teria sido a música portuguesa se não tivesse ficado, fará em agosto próximo 25 anos, sem o talento, o bom gosto, a alegria, a polivalência, a capacidade de trabalho e a modernidade que faziam parte do ADN de Carlos Paião? Teria sido diferente e seguramente melhor, embora os ses nada contem para o campeonato da realidade. O que posso dizer, agora, é que sofri, nesse verão de 1988, um enorme desgosto com a notícia do desastre rodoviário que tirou a vida ao autor de Playback e de Pó... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: a rua contra a vontade dos eleitores

O aumento dos combustíveis já não impressiona, os velhos parece até não morrerem tão sós como noutros tempos, os incêndios estão fora de época, a política anda aborrecida, a modorra domina a atualidade. Eis se não quando, do nada, surge um tema forte: a perseguição aos ministros, com Grândola, vila morena como introdução ao tradicional chorrilho de insultos, às ameaças e às tentativas de agressão. A abertura dos telejornais está garantida. Há países onde não se fazem diretos sobre fogos porque a visualização dessas imagens funciona como incentivo para que... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: a deceção António Costa

O meu único contacto com António Costa deu-se quando ele me enviou um extenso relatório sobre o investimento que a Câmara Municipal de Lisboa tinha feito em pilaretes, na sequência de uma crónica minha, aqui na SÁBADO, em que me insurgia contra o défice dos ditos no bairro de Telheiras, onde moro. Foi uma resposta em dois dias, que revela, no mínimo, atenção e competência. Mas sou, para a vida, admirador de duas pessoas que lhe são bem próximas: Maria Antónia Palla, uma grande figura do jornalismo português, e Manuel... Leia o resto →

Crónicas da Sabado: rendido à evidência – 1

1. Rara é a crónica em que o tema da semana não me obriga a abrir o armário das recordações. Não é que me importe, afinal o tempo decorreu e, já que envelheci, pois que a memória me ajude a enfrentar problemas, encontrar respostas e compreender melhor a natureza humana. Sobre inquisições poderia escrever aqui umas dezenas de textos, baseando-me apenas no que vivi, como torturado ou como torturador. Mas esse seria mais um regresso ao passado, talvez o único que não farei, uma vez que teria de trazer até à... Leia o resto →

« Entradas mais antigas Posts mais recentes »

 
Back to top