Em parágrafos – 1

1. Esta perturbação dos papás que sonham com filhos perfeitos e ricos – e que possam enriquecê-los também a eles – tanto se manifesta nos que querem fazer dos meninos futebolistas à força como nos que os encaminham para a facilidade da fama televisiva. Em ambos os casos, um triste destino espera 99% dos candidatos a estrelas que ficam pelo caminho. Mas levar a mania até ao bisturi para tentar corrigir a genética ou o excesso de comida de plástico com que os empanturraram em crianças já é para a... Leia o resto →

De volta à escrita (e a este blog por mais algum tempo)

Desde o meu último post, há 41 dias, a média de visitas diárias a este blog suspenso – e ainda por decisão minha “atirado” para o último lugar da lista de blogs do site – tem-se mantido acima de MIL (!), o que me surpreende e sensibiliza. Isso leva-me a continuar por mais algum tempo – enquanto construo um blog “independente”, infelizmente atrasado – a abusar da “hospitalidade” do Record Online e do João Querido Manha, e a publicar ainda aqui os textos que recomecei a produzir, mais cedo do... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: os dias do fim

Se os cientistas dizem que a primeira hora de existência é importante para o que vem a seguir, não haverá razão para não acreditarmos. Embora essa descoberta se assemelhe mais às crenças antigas, que persistem, e que apontam os astros como determinantes do nosso destino. Enfim, creio na ciência, sempre e à frente de tudo, mas com a minha costela de ignorância e de temor pelo desconhecido recuso-me a ficar liminarmente afastado dos que garantem, ou apenas admitem, que o futuro possa estar escrito nas estrelas. Gosto de reservar, na... Leia o resto →

Em defesa dos animais um email contra algo que nunca escrevi

De: Ana Aboim [mailto:ana.—-@gmail.com] Enviada: domingo, 16 de Junho de 2013 07:13Para: Cofina PortoAssunto: Opiniao sobre V/ artigo que muito gostaria vosse reenviado ao departamento correcto. Obrigada Como nao vivo em Portugal, infelizmente nao tenho acesso a revista Sabado a nao ser quando alguem me vem visitor e me tras todas as edicoes em atraso . Gostaria de comentar a opiniao do Sr Alexandre Pais sobre vosso artigo publicado na edicao n. 465 sobre o desgosto causado pela perda dos nossos animais de estimacao. Acho completamente descabida a comparacao entre o amor que temos pelos... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: rendido à evidência – 6

1. Nunca aprenderei a fazer nada pela Internet. Não por rejeitar o fenómeno ou as novas tecnologias, já que tenho conta no Twitter, no Facebook e no Instagram, e utilizo-as com a regularidade permitida pelo meu tempo disponível. Mas simplesmente porque me dou mal com máquinas, porque me irrito quando me dizem que elas têm sempre razão, porque sou rejeitado até quando finjo que as amo. E a net, não sendo uma máquina, tem muito da sua  frieza, da sua ilógica, da sua falta de alma. Nem com o fisco... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: de pernas para o ar

O Mundo está ao contrário e os efeitos dessa viragem do avesso atingem-nos cada vez com maior intensidade. No último domingo, milhares de pessoas que se deslocaram para as praias da Linha do Estoril deram com a Marginal fechada por mais uma excitante iniciativa popular e andaram, em desespero, a entupir todos os caminhos adjacentes, A5 incluída. Não é por Isaltino de Morais estar na cadeia que o devemos isentar de culpas, já que eventos do género da Câmara de Oeiras são recorrentes. Que arbitrariedade será essa que permite o... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: obrigado, burocrata

Corria o final do ano da graça de 1967. Sentindo a nostalgia da participação em espectáculos na adolescência, resolvi corresponder ao que julgava ser o apelo de uma vocação definitiva e frequentar o antiquado curso de Teatro do Conservatório Nacional, em Lisboa – antiquado para a época, note-se. Como trabalhava na Emissora Nacional, outro baluarte do regime, não estranhei o velho edifício, no Bairro Alto, a secretaria, as fardas – de um triste cinzento-azulado – do pessoal então classificado de menor, ou a organização do serviço, que eram emanações perfeitas... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: rendido à evidência – 5

1. D. Manuel Clemente parece ter sido a escolha certa para Patriarca de Lisboa. O seu percurso académico e na sociedade civil é a base da renovada esperança de vermos um olhar que é sistematicamente conservador evoluir para uma ação mais voltada para os problemas que afligem hoje as pessoas do que para dogmas seculares que afastam os pastores do rebanho. Vivi essa ilusão com D. António Ribeiro e com D. José Policarpo, talvez D. Manuel possa agora dar o passo em frente sem o qual a Igreja de Roma... Leia o resto →

Crónicas da Sábado: rendido à evidência – 4

1. Demorei a combater a praga. Durante anos, tive na cozinha uma parafernália – utilizo o termo em homenagem aos jovens jornalistas que o colocaram no top das suas preferências, superando o estafado dantesco – de pequenos eletrodomésticos. Tudo o que fosse novidade, eu comprava. Com o tempo, fiz a descoberta dos burros: dois terços do material reluzente não saía das prateleiras. A partir desse 80, regressei ao oito e hoje sou de novo feliz com uma torradeira, o que significa que a proeza de Mr. Bimby me deixa indiferente.... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top