Cristiano e Messi: o mais forte de todos e o melhor da história

Vejo como um caso de estudo que a justa euforia em torno do histórico desempenho de Cristiano Ronaldo, frente à Espanha, seja acompanhada por críticas absurdas a Lionel Messi, por não ter convertido um penálti e carregado a seleção argentina às costas. Vão ser esses os comentadores que amanhã, se Cristiano estiver mais apagado face a Marrocos e Messi fizer um jogo ao seu nível contra a Croácia, dirão ou escreverão precisamente o contrário do que fizeram nos últimos dias. Tantos anos a ver futebol sem entenderem que, num minuto,... Leia o resto →

Federer e Nadal voltaram a ser os donos do ténis

São 17 títulos do Grand Slam, 11 dos quais em Roland Garros – sete na última década – a juntar a quatro taças Davis, a 32 torneios Masters 1000, às medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de 2008 e 2016, a 100 milhões de dólares de “prize money” e por aí fora: eis o extraordinário palmarés de Rafael Nadal, após ter vencido ontem, em Paris, um troféu que lhe permite manter-se como n.º 1 do ranking ATP e confirmar a sua condição de melhor tenista em terra batida da história.... Leia o resto →

Poderá Cristiano imitar Federer?

O envelhecimento pode ser interessante sob alguns aspetos, mas a idade não perdoa. Para mais, a sociedade mudou e estão mortos os que defendiam a velha máxima do funcionalismo público que dizia que a antiguidade no serviço era um posto, ou seja, os últimos a chegar que vergassem a mola. Longe de ser velho, os 33 anos que Cristiano Ronaldo completará dentro de duas semanas impõem-lhe novos limites. O seu trabalho em Madrid, nomeadamente o facto de apontar menos golos, é visto de forma pesada, ignorando-se o facto de não... Leia o resto →

O’Sullivan, Federer, Nadal, Venus, Bjørndalen… a velharia ativa

No passado fim de semana, Ronnie O’Sullivan ganhou, aos 41 anos, o Masters de snooker de 2017, o sétimo em 12 finais desde 1995, no que se pode considerar como um regresso do ex-número 1 e pentacampeão mundial aos seus melhores tempos. Algo que ao longo dos últimos 15 dias fizeram Roger Federer, de 35 anos, e Rafael Nadal, de 30, que voltam a disputar no domingo uma final do Grand Slam, a 28.ª para o suíço, a 21.ª para o maiorquino, mais uma página para gravar a ouro na história... Leia o resto →

Roger Federer voltou aos seus melhores tempos

Vemos o mítico Rod Laver, sentado na primeira fila do pavilhão com o seu nome, onde decorrem as principais confrontos do Open da Austrália, e lamentamos não ter podido seguir o campeão na sua década de ouro, a de 60. Porque para um adepto não é a mesma coisa ter visto ou não ter visto jogar aquele que é considerado, a par de Roger Federer, o maior tenista da história. Daí que se deva aproveitar a grande e talvez derradeira oportunidade de deslumbramento que Federer está a oferecer-nos, ao recuperar,... Leia o resto →

Federer, Nadal e Djokovic: voltaram os grandes combates dos chefes

As vitórias de Federer sobre Djokovic e de Nadal sobre Murray, no ATP World Tour Finals, fizeram regressar à ribalta do ténis os maiores combates dos últimos dez anos. Vejamos como estamos de vitórias nos duelos dos três grandes entre si (122 jogos): Federer-Nadal: 11-23 (desde 2004), 1-0 em 2015 Nadal-Djokovic: 23-22 (desde 2006), 0-3 em 2015 Djokovic-Federer: 21-22 (desde 2006), 4-3 em 2015 Nos 11 confrontos deste ano – e faltará pelo menos mais um ou dois – sete triunfos para Novak Djokovic e quatro para Roger Federer, o... Leia o resto →

 
Back to top